Aviação Gabinete de investigação de acidentes aéreos propõe nova taxa para financiar actividade

Gabinete de investigação de acidentes aéreos propõe nova taxa para financiar actividade

Álvaro Neves, director do GPIAA, queixa-se à TSF da falta de orçamento que impede a instituição de "liderar uma investigação de um grande acidente aéreo em território nacional". Os Governos continuam "convencidos que a Nossa Senhora de Fátima nos livrará de um acidente grave", justifica.
Gabinete de investigação de acidentes aéreos propõe nova taxa para financiar actividade
Bloomberg
Negócios 18 de outubro de 2016 às 07:44

O director do Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves (GPIAA) defende a introdução de uma nova taxa de 20 cêntimos por passageiro ou a utilização de parte da taxa de segurança aérea para financiar a instituição que está "estrangulada por um garrote até à inoperacionalidade".

Numa entrevista à TSF, Álvaro Neves diz que a sua proposta de financiamento continua sem respostas do actual Governo – o organismo a que preside é tutelado pelo Ministério do Planeamento e das Infraestruturas – tal como terá acontecido com com o anterior.

Sem essa verba, a prevenção e a investigação de acidentes em Portugal fica em causa, refere à rádio, numa altura em que o GPIAA é "incapaz de liderar uma investigação de um grande acidente aéreo em território nacional".

O valor a arrecadar com a taxa nova ou o uso de parte da existente seria conduzido para um fundo de reserva a usar pelo Estado em caso de acidente grave, como um acidente no mar, onde a recuperação de uma caixa negra custa milhões de euros.

Segundo o director, o orçamento de 500 mil euros foi cortado em 40%  pelo actual Governo, impedindo que se cumpram as obrigações financeiras correntes. Resultado: mais de 100 processos pendentes e "enorme falta de meios humanos, materiais e financeiros". E até a linha de emergência usada para reportar acidentes foi cortada pelo fornecedor durante três dias, pondo em causa o tempo útil de seis horas para dar conta de ocorrências.

Álvaro Neves justifica a falta de resposta dos Executivos "talvez por continuarem convencidos que a Nossa Senhora de Fátima nos livrará de um acidente grave", uma ocorrência que, defende, acontecerá mais cedo ou mais tarde. 


A sua opinião9
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 18.10.2016


Os ladrões de esquerda


COSTA LADRÃO, em ação

PS rouba famílias com filhos, que ganham mais de... 900€.

Famílias com filhos estão a pagar mais IRS em 2016 (veja as tabelas de IRS).

comentários mais recentes
António Viegas 18.10.2016

Estão a aprender com este pseudo Governo.

pertinaz 18.10.2016

MAIS UM

ESTAMOS DEBAIXO DE UMA VERDADEIRA DITADURA

ISTO SÓ LÁ VAI COM ARMAS

Anónimo 18.10.2016



Os ladrões de esquerda

PS - PCP - BE -- ROUBAM OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO



NOVAS PENSÕES MÍNIMAS SERÃO SUJEITAS A PROVA DE RENDIMENTO...

para se gastar mais dinheiro com os subsídios às pensões douradas da CGA.


(As pensões da CGA são subsidiadas em 500€, 1000€, 1500€ e mais, por mês.

Estas pensões sim, devem ser sujeitas a condição de recursos.

E não as mínimas.)


Filipe Mendes 18.10.2016

Ora, seria so mais uma........

ver mais comentários
pub
pub
pub
}
pub