Energia Galp avança com projecto em Moçambique

Galp avança com projecto em Moçambique

O conselho de administração da Galp aprovou o projecto para Moçambique de construção de uma unidade flutuante para a liquefação de gás natural.
Galp avança com projecto em Moçambique
Sara Matos
Negócios 19 de dezembro de 2016 às 07:43
A Galp vai avançar com o investimento em Moçambique, na área de Coral Sul, relacionado com as descobertas na designada área 4 na bacia do Rovuma. O investimento foi aprovado pelo conselho de administração, informou a empresa em comunicado.

O projecto está agora dependente da assinatura e conclusão da documentação relevante e da aprovação por parte dos parceiros do consórcio, além do financiamento e da aprovação por parte do Governo moçambicano da parte financeira relativa à participação da Empresa Nacional de Hidrocarbonetos (ENH).

O projecto Coral Sul, explica a Galp, prevê a construção de uma unidade flutuante para a liquefação de gás natural (FLNG) com uma capacidade anual superior a 3,3 mt de gás natural liquefeito (GNL) ligada a seis poços.

O consórcio já assinou com a BP um acordo para a venda do volume total de GNL produzido por esta unidade flutuante por 20 anos. "Devido à dimensão e qualidade dos recursos, à sua localização e às potenciais economias de escala, é esperado que a bacia do Rovuma venha a desempenhar um papel fundamental na indústria do gás natural, bem como na transformação do contexto económico de Moçambique", acrescenta a Galp em comunicado.

A Galp detém 10% do consórcio, que tem uma participação de 50% da Eni, de 10% da Kogas e 10% da ENH e mais 20% da China National Petroleum Corporation (CNPC).




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub