Energia Galp reforça presença em São Tomé e Príncipe

Galp reforça presença em São Tomé e Príncipe

A Galp comprou à Kosmos Energy 20% de três blocos no offshore de São Tomé e Príncipe. O valor da operação não foi revelado.
Galp reforça presença em São Tomé e Príncipe
Sara Matos
Sara Antunes 07 de Novembro de 2016 às 07:36

A Galp Energia comprou uma posição de 20% dos blocos 5, 11 e 12 no offshore de São Tomé e Príncipe, anunciou a petrolífera nacional em comunicado enviado esta segunda-feira, 7 de Novembro, para a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

 

Com esta operação, "a Galp reforça a sua presença no país, onde detém, desde 2015, a operação no bloco 6, no qual a Kosmos também participa", adianta a mesma fonte.

 

Os valores envolvidos nesta operação não foram revelados, sendo apenas referido que "a transacção deverá estar concluída até ao final do ano, estando sujeita à aprovação pela ANP e entidades governamentais".

 

"A estratégia de ‘upstream’ da Galp continua com o seu foco na execução dos seus projectos de desenvolvimento de classe mundial, especialmente no Brasil e em Moçambique, mantendo um portefólio diversificado de exploração e avaliação que assegure um nível de produção sustentável na década de 2020", realça a petrolífera no comunicado. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Zeca Há 4 semanas

É para utilizar os equipamentos que estão em angola, e que serão desativados, pois na republica popular da corrupção, não será viável manter a operação!
A Amorim já está a posicionar-se para comprar a posição da Belinha falida na Galp, pois os bancos fecharam a torneira à princesa "corruptina",

pub