Energia Galp vai pagar mais 25 milhões de imposto no gás natural em 2017

Galp vai pagar mais 25 milhões de imposto no gás natural em 2017

Em 2017 a petrolífera vai pagar mais 25 milhões de euros de imposto por causa dos contratos de gás natural com a Argélia e a Nigéria.
Galp vai pagar mais 25 milhões de imposto no gás natural em 2017
Bruno Simão/Negócios
Negócios 29 de Novembro de 2016 às 09:26

O aumento da taxa sobre o valor económico dos contratos de gás natural foi aprovado na segunda-feira, 28 de Novembro, no Parlamento. E esta proposta do PS vai traduzir-se num aumento de 25 milhões de euros para a Galp por causa dos contratos com a Argélia e a Nigéria, segundo a edição desta terça-feira, 29 de Novembro, do Diário de Notícias.

O jornal detalha que este aumento será aplicado no próximo ano e não terá efeitos retroactivos.

Com a criação da Contribuição Extraordinária sobre o Sector Energético para o Gás natural (CESE2) o Executivo prevê pagamento de 50 milhões de euros por ano, totalizando 150 milhões até 2017.

Recorde-se que a petrolífera liderada por Carlos Gomes da Silva contestou a CESE desde a sua criação bem como o novo imposto tendo mesmo a correr um processo em tribunal.

Na nota diária que envia a clientes, a Haitong diz que esta notícia tem impacto negativo na Galp, embora este seja "limitado".

"De acordo com as nossas estimativas, o imposto adicional deverá representar um aumento no montante a pagar no período entre 2017 a 2020 de 96 milhões de euros para 127 milhões de euros, um diferencial que não é material tendo em conta a capitalização bolsista de 10 mil milhões de euros da Galp Energia", refere o "research".




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub