Energia Galp volta a recusar pagar a taxa extraordinária e continua em tribunal

Galp volta a recusar pagar a taxa extraordinária e continua em tribunal

"Esta era uma taxa que era suposto ser transitória, mas ela é transitória todos os anos", apontou o líder da Galp. A empresa vai colocar de lado 75 milhões em 2017 por causa da CESE.
Galp volta a recusar pagar a taxa extraordinária e continua em tribunal
André Cabrita-Mendes 28 de Outubro de 2016 às 19:03

A Galp não vai voltar a pagar a taxa extraordinária de energia em 2017. Pelo quarto ano consecutivo, a petrolífera recusa pagar e vai continuar a lutar contra a taxa em tribunal.

"Discordamos deste imposto, entendemos que viola a tributação às empresas. Não vamos mudar a nossa posição", disse o presidente executivo da empresa esta sexta-feira, 28 de Outubro, na apresentação de resultados.

"Compete aos tribunais tomar essa decisão e nós vamos respeitar a decisão que for tomada", afirmou Carlos Gomes da Silva. A Contribuição Extraordinária sobre o Sector Energético (CESE) entrou em vigor em 2014 e tem sido renovada todos os anos, abrangendo a EDP, Galp e a REN.

"Esta era uma taxa que era suposto ser transitória, mas ela é transitória todos os anos", criticou. Nas contas do fisco, a Galp tem a pagar 240 milhões de euros relativos à CESE original e à CESE 2 pelos anos de 2014, 2015, 2016 e 2017.

No entanto, o líder da petrolífera expressou a preocupação por a CESE voltar a pesar nas contas da empresa pelo quarto ano. "Preocupa-nos na medida em que é mais um ano que onera a actividade económica".

A empresa garante que vai voltar a colocar de lado o dinheiro cobrado pelo fisco. Para 2017 vai provisionar mais de 75 milhões de euros: 52 milhões de euros da CESE 2 - que tributa os ganhos nos contratos de gás natural da Argélia e Nigéria - e 25 milhões da CESE original. 

Para o próximo ano, o Governo prevê arrecadar 90 milhões de euros só com a CESE original.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Eu quero ser Galp!...recusar me a pagar contribuição e traordinaria IRS, a nova "fat tax", etc... Isso era uma beleza! .... Depois tambem se fala de responsabilidade social...talvez a mesma comece pelo pagamento das taxas e impostos...do outro lado requere se uma gestão justa do dinheiro publico e ã

5640533 Há 1 semana

NO lugar da Galp também Re or ria a to as as instâncias possíveis.

joaoaviador Há 1 semana

E mais nada que esta coisa da democracia dá para tudo. Não é o poder do povo que governa através de cidadãos é o poder para cima do povo governado por cidadãos em quem a gente não vota. Perceberam? Como diria o saudoso Millôr, se Moisés acreditasse na democracia os judeus ainda estavam no Egipto.

Surpreso Há 1 semana

Convidem mais uns governantes para a bola!

pub
pub
pub
pub