Energia Galp e Petrobras alargam parceria a todo o mundo

Galp e Petrobras alargam parceria a todo o mundo

As duas energéticas, com mais de década e meia de relação no Brasil, assinaram esta terça-feira um memorando de entendimento para aprofundar a parceria estratégica para explorar oportunidades de colaboração em todo o mundo.
Galp e Petrobras alargam parceria a todo o mundo
Sara Matos
Paulo Zacarias Gomes 11 de Outubro de 2016 às 22:27

A energética portuguesa Galp e a homóloga brasileira Petrobras anunciaram esta terça-feira, 11 de Outubro, a assinatura de um memorando de entendimento para expandir a parceria entre as duas empresas.

De acordo com o comunicado da Petrobras, citado pela Bloomberg, o objectivo é "fortalecer as actividades de exploração, desenvolvimento e produção" e consolidar a aliança estratégica entre as companhias.

Além de passarem a estudar a potencial participação em consórcios para explorar, produzir e desenvolver infra-estruturas de óleo e gás "em regiões de interesse comum em todo o mundo", as duas empresas vão também desenvolver um "programa conjunto de treinamento e pesquisa com foco em reservatórios carbonáticos em águas profundas," lê-se no comunicado.

A empresa brasileira recorda a relação entre as duas companhias, que dura há "mais de 15 anos" e que as tornou parceiras na exploração e produção no Brasil, nomeadamente no campo de Lula "o maior projeto de desenvolvimento no pré-sal da Bacia de Santos".

O documento não especifica que valores de investimento poderão estar em causa nem nenhum cronograma de possíveis acções a desenvolver em comum.

A Petrobras tem actualmente em curso um programa de reestruturação que passa pela venda de activos, pelo corte de um quarto do investimento nos próximos cinco anos e pela saída de quase 12 mil funcionários. 

Medidas tomadas depois do impacto negativo causado na actividade da empresa pela queda do preço do petróleo nos mercados mundiais e de a companhia ter estado no centro do escândalo de corrupção Lava Jato, com várias obras encomendadas pela empresa pública a estarem sob suspeita de favorecimento de empreiteiras a troco de pagamentos. 

No Brasil, a empresa é uma das parceiras da portuguesa Galp, que está presente em 27 projectos no país de entre os quais o campo Lula é considerado pela companhia como o mais importante.

As acções da Galp encerraram o dia a subir 1,17% para 12,52 enquanto que em São Paulo os títulos ordinários da Petrobras fecharam a sessão a cair 2,34% para 17,08 reais.

(Notícia actualizada às 22:37 com mais informação)




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub