Empresas Garantia Mútua abre linha de 100 milhões de euros para empresas afectadas pelos incêndios

Garantia Mútua abre linha de 100 milhões de euros para empresas afectadas pelos incêndios

O sistema de garantia mútua vai cobrir até 80% do capital em dívida, com dois anos de carência, as operações de crédito que vierem a ser financiadas no âmbito de uma linha de apoio de 100 milhões de euros às empresas afectadas pelos incêndios.
Garantia Mútua abre linha de 100 milhões de euros para empresas afectadas pelos incêndios
Operações de crédito celebradas no âmbito da linha de apoio às empresas afectadas pelos incêndios vão contar com garantia mútua.
Ricardo Almeida
Rui Neves 09 de novembro de 2017 às 17:06

Na próxima terça-feira, 14 de Novembro, o sistema nacional de garantia mútua vai assinar um protocolo com os principais bancos que operam em Portugal a abertura de uma nova linha de apoio às empresas afectadas pelos incêndios nas regiões Centro e Norte de Portugal no valor de 100 milhões de euros, adiantou ao Negócios o presidente da Norgarante, Luís Filipe Costa.

 

A entrada deste instrumento de crédito visa facilitar o acesso das empresas afectadas pelos fogos no "Sistema de Apoio à Reposição da Competitividade e Capacidades Produtivas", um programa recentemente criado pelo Governo que visa permitir que os agentes da economia real directamente afectados pelos incêndios do passado dia 15 de Outubro retomem a operação.

 

As operações a celebrar no quadro da nova linha de apoio beneficiarão de uma cobertura de risco prestada pela garantia mútua de 80% do capital em dívida, com carência de dois anos, a "taxas de juro muito baixas e isenção das comissões da garantia mútua", detalhou Luís Filipe Costa, ex-presidente do IAPMEI e que preside actualmente à Norgarante, sociedade de garantia mútua que opera na região Norte e parte da região Centro.

 

Durante a abertura da primeira sessão dos "VI Fóruns Norgarante", que decorreu esta quinta-feira em Viseu, Luís Filipe Costa ressalvou que, ao contrário da linha já anunciada pelo Governo, também no valor de 100 milhões de euros e que se destina a investimento em equipamento e infra-estruturas, este novo apoio tem a finalidade de apoiar as necessidades de fundo de maneio e tesouraria das empresas afectadas pelos incêndios. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub