Empresas Garantia mútua já viabilizou mais de 24 mil milhões de investimentos

Garantia mútua já viabilizou mais de 24 mil milhões de investimentos

O sistema português de garantia mútua já emitiu mais de 210 mil garantias, num valor superior a 12 mil milhões de euros, que permitiram a cerca de 90 mil empresas, sobretudo PME, fazer investimentos de mais de 24 mil milhões de euros.
Garantia mútua já viabilizou mais de 24 mil milhões de investimentos
Rui Neves 11 de Novembro de 2016 às 13:10

Criado em 1994, desde Setembro desse ano e até Agosto passado, o sistema português de garantia mútua (SNGM) já emitiu mais de 210 mil garantias, num valor global superior a 12 mil milhões de euros.

Estas garantias permitiram a cerca de 90 mil entidades, sobretudo PME, fazer investimentos de mais de 24 mil milhões de euros e criar, ou manter, mais de um milhão de postos de trabalho, avança, em comunicado, o SNGM e a Norgarante, uma das quatro sociedades operacionais do sistema (as outras são a Agrogarante, a Garval e a Lisgarante).

Só a Norgarante, em 14 anos de actividade, apoiou quase metade (42.323 mil) dessas entidades, através da prestação de mais de 99 mil garantias, no valor de 5,2 mil milhões de euros, que "ajudou a manter cerca de 763 mil postos de trabalho e induziu na economia investimento no valor de 10,312 mil milhões de euros", realça a mesma sociedade.

Nos primeiros nove meses deste ano, a Norgarante emitiu um total de 7.145 garantias, num valor superior a 480,4 milhões de euros, que permitiram fazer investimentos de 795,2 milhões de euros.

Desde o início do ano e até final de Setembro passado, esta sociedade apoiou 6.085 entidades no acesso ao crédito, com um volume de emprego superior a 116 mil postos de trabalho.

No final do mês de Agosto, afiança, a Norgarante tinha 22.782 empresas com garantias vivas no valor total de 1,511 mil milhões de euros.

Através da prestação de garantias, a pedido das empresas, as sociedades de garantia mútua "intervêm como se de um fiador ou garante se tratasse, assegurando, de forma irrevogável e à primeira solicitação, o pagamento da percentagem do capital garantido que esteja em dívida". 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub