Comércio Gastos dos portugueses no Natal vão ser os mais elevados dos últimos seis anos

Gastos dos portugueses no Natal vão ser os mais elevados dos últimos seis anos

Os consumidores pensam gastar, em média, 373 euros com os consumos relacionados com o Natal, o valor mais elevado desde 2010, mostra estudo do IPAM.
Gastos dos portugueses no Natal vão ser os mais elevados dos últimos seis anos
Bloomberg
Rita Faria 21 de Dezembro de 2016 às 16:14

Os portugueses vão gastar mais dinheiro no Natal este ano. Esta é a conclusão de um estudo realizado pelo IPAM, que mostra que o consumo, nesta época, deverá aumentar pelo terceiro ano consecutivo e atingir mesmo o valor mais elevado desde 2010.

 

Cada consumidor pretende gastar, em média, 373 euros com os consumos relacionados com o Natal, um aumento de 24% face ao apurado em 2015. No ano passado, os portugueses não esperavam que a "factura" superasse os 301 euros.

A estimativa para este ano é 47% superior à apurada em 2013 (253,52 euros), mais ainda inferior aos gastos estimados em 2009 (490 euros). 

 

Ainda que o valor médio dos gastos deva subir este ano, a fatia do orçamento dos portugueses destinada a presentes continua a resumir-se ao núcleo familiar. Apenas 34% dos inquiridos planeia oferecer prendas a amigos, o mesmo que em 2015.

 

No que respeita à escolha dos presentes a oferecer, o estudo constata aquilo que já vem sendo tradição: brinquedos (36%) para as crianças; roupa e sapatos (32%) para adolescentes e adultos.

 

O estudo do IPAM revela ainda que os portugueses já não esperam pelo mês de Dezembro para realizar as compras de Natal. Os dados mostram um aumento de 12,5% na intenção de compra dos consumidores antes de Dezembro, face ao ano passado.

 

Apesar de preferirem os centros comerciais para fazer compras (29,1% dos inquiridos só pensa recorrer a estas superfícies) há cada vez mais portugueses a optar por alternativas como o comércio de rua e até a internet que, juntos, recolhem 3% das intenções de compra.

 

Este estudo, elaborado desde 2009, tem por base 465 inquéritos válidos, realizados entre os dias 1 e 11 de Dezembro. 




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 dia


O BURACO ANUAL DA C.G.A. CUSTA MAIS DO QUE O RESGATE DE UM BANCO


O défice orçamental do OE 2017, é de 3016 milhões de Euros...

e o buraco anual das pensões dos ladrões FP / CGA em 2017, é de 4600 milhões de Euros.

CONCLUSÃO: SÓ EXISTE DÉFICE EM 2017, DEVIDO AO BURACO DA CGA!


comentários mais recentes
Vivemos melhor Há 1 dia

Bom para o comercio e é sinal de que estamos com mais dinheiro no bolso. Claro que já anda aqui gente furiosa, aqueles doentes psiquiátricos que desejam ardentemente a miséria. Eles que emigrem. Força Portugal

Anónimo Há 1 dia

Gastar é fácil. Basta imitar o governo. O pior é quando a conta chegar. Aí não se pode imitar o governo que sacode a água do capote para cima do contribuinte e nós não temos para onde a sacudir, o único remédio é, como dizia o meu velho avô, cortar na ração. E aí é que a porca vai torcer o rabo

Anónimo Há 1 dia


O BURACO ANUAL DA C.G.A. CUSTA MAIS DO QUE O RESGATE DE UM BANCO


O défice orçamental do OE 2017, é de 3016 milhões de Euros...

e o buraco anual das pensões dos ladrões FP / CGA em 2017, é de 4600 milhões de Euros.

CONCLUSÃO: SÓ EXISTE DÉFICE EM 2017, DEVIDO AO BURACO DA CGA!


Anónimo Há 2 dias

Mais uma notícia da teia....Se há aumento do endividamento para consumo é óbvio que o consumo aumente. É a ideia do Diabo: promover o crescimento económico através do endividamento para consumo. Já vai em 133% do PIB....ou já é 134%?

pub