Empresas General Motors pagou "até ao tostão" indemnização por fecho da Opel

General Motors pagou "até ao tostão" indemnização por fecho da Opel

O ministro da Economia e da Inovação, Manuel Pinho, afirmou hoje que a General Motors (GE) pagou de indemnização 18 milhões de euros por ter sido condenada pelo Tribunal Arbitral pelo encerramento da fábrica da Azambuja.
Negócios com Lusa 18 de março de 2009 às 16:03
O ministro da Economia e da Inovação, Manuel Pinho, afirmou hoje que a General Motors (GE) pagou de indemnização 18 milhões de euros por ter sido condenada pelo Tribunal Arbitral pelo encerramento da fábrica da Azambuja.

"A General Motors pagou tudo até ao tostão pelo encerramento da fábrica da Opel, na Azambuja. É a primeira vez que a primeira vez que uma multinacional que esteve em Portugal devolveu tudo [18 milhões de euros] e com juros", disse Manuel Pinho, em Lisboa, citado pela Lusa.

O ministro, que falava à imprensa à margem da conferência "PME's e Recuperação Económica", disse que o Governo português exigiu inicialmente uma verba de 132 milhões de euros, mas que este valor implicava "danos de imagem e consequências sociais" pelo fecho da fábrica.

A decisão do Tribunal Arbitral, de há cerca de um ano atrás, não inclui o valor pretendido pelo Estado português no que respeita aos danos de imagem e consequências sociais.

O “Público” noticiou hoje que a indemnização paga pela General Motors ficou muito aquém do pretendido pelo Estado português.

O ministro da Economia destacou que o que é relevante é a multinacional ter pago a indemnização por ter saído do país.

"Isto é o que deve acontecer", disse Manuel Pinho.

A decisão do tribunal acabou por reduzir o valor de 132 milhões de euros, para 18 milhões, verba que de acordo com Manuel Pinho cobre todas as despesas feitas por Portugal.

"Quando o Estado português dá incentivos é para se cumprir. O Estado foi ressarcido e o contribuinte também", acrescentou.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
metitus 18.03.2009

Ja recebeste uns milhares para estares calado. O que estes tipos pensam e que vao roubar o que podem enquanto podem e depois bazam. So que amigos isto ja mudou, nao pensem que fogem para a Franca ou para as Maldivas, os tempo sao outros. A mudanca esta para breve...