Desporto Gestifute nega "qualquer tipo de esquema fiscal" para Cristiano Ronaldo fugir aos impostos

Gestifute nega "qualquer tipo de esquema fiscal" para Cristiano Ronaldo fugir aos impostos

A Gestifute negou a existência de "qualquer tipo de esquema fiscal montado", explicando que o português manteve os rendimentos através da sociedade Tollin, detida a 100% pelo próprio e criada quando jogava no Manchester United, em 2004.
Gestifute nega "qualquer tipo de esquema fiscal" para Cristiano Ronaldo fugir aos impostos
Reuters
Lusa 13 de junho de 2017 às 22:36

O português Cristiano Ronaldo não tentou evadir impostos, assegurou hoje a Gestifute, empresa que gere a carreira do futebolista do Real Madrid, realçando que a queixa do Ministério Público espanhol não é uma acção judicial.

 

O Ministério Público de Madrid acusou o avançado luso de ter, de forma "consciente", criado uma sociedade para defraudar o fisco espanhol quanto aos valores dos direitos de imagem em 14,7 milhões de euros, através de quatro delitos contra os cofres do Estado, cometidos entre 2011 e 2014.

 

Em comunicado, a Gestifute negou a existência de "qualquer tipo de esquema fiscal montado", explicando que o português manteve os rendimentos através da sociedade Tollin, detida a 100% pelo próprio e criada quando jogava no Manchester United, em 2004.

 

"Quando Cristiano Ronaldo assina pelo Real Madrid [em 2009], não se criou uma estrutura especial, tendo-se mantido a mesma que detinha em Inglaterra, onde nunca teve problema algum. Contrariamente ao que insinua o Ministério Público espanhol, foram feitas modificações contratuais para assegurar que os rendimentos fossem tributados em Espanha", lê-se no comunicado.

 

A Gestifute refere que, na chegada a Espanha, o futebolista passou a estar abrangido pela 'lei dos impatriados' (regime fiscal especial aplicável aos trabalhadores estrangeiros colocados em território espanhol), sendo tributado "apenas pelos rendimentos imputáveis a Espanha. Portanto, a tributação pelos rendimentos globais não é imputável neste caso".

 

A empresa acrescenta que "as receitas do jogador pelos direitos de imagem são consideradas de capital mobiliário e apenas excepcionalmente serão rendimentos decorrentes de uma actividade económica, não podendo, em caso algum, serem considerados como rendimentos de uma actividade desportiva".

 

"O jogador declara à Autoridade Tributária espanhola 100% da parte imputável a Espanha das receitas da Tollin e dos seus direitos de imagem durante os períodos 2009-2014 e 2015-2020, valorizando-a de acordo com os critérios fixados pela Autoridade Tributária do Reino Unido para determinar qual a parte das receitas por cedência dos direitos de imagem originada naquele país, o que revela que não tinha intenção de cometer fraude", sublinha a Gestifute, reiterando que Ronaldo "não ocultou nada e, de facto, declarou de forma voluntária os seus bens no estrangeiro" e que "apesar de não estar obrigado a fazê-lo e, logo que foi solicitado pela Agência Tributária, apresentou todas as informações sobre o assunto. Nunca houve ocultação, nem a menor intenção de ocultar".

 

"Os advogados de Cristiano Ronaldo consideram que, sejam quais forem as soluções para este caso - bem como as suas consequências -, devem circunscrever-se ao âmbito administrativo e não ao judicial, porque a discrepância provém de uma questão jurídica muito complexa onde não há lugar à má-fé do jogador", salienta a Gestifute.

 

A empresa de agenciamento de desportistas dá ainda conta da opinião dos advogados do futebolista, realçando que "a principal discrepância entre o recebido e o reclamado pelo Ministério Público provém de uma quantificação diferente da parte dos rendimentos por cedência de imagem 'obtida em Espanha'".

 

"O jogador classificou o rendimento como rendimentos do capital mobiliário (...) ; O jogador quantificou a parte imputável a Espanha seguindo o critério que estabeleceu a Inspecção Fiscal inglesa, que era mais favorável a Espanha que o que deriva dos relatórios de especialistas. Em conclusão: poderá ser discutido o valor, mas é bem claro que o jogador não tentou evadir impostos", sustenta o comunicado.

 

Os causídicos assinalam uma "segunda discrepância", quanto ao momento do pagamento pela cedência de imagem em 2011 e 2013, "uma vez que em 2014 não houve adiantamento", recusando "intencionalidade" do jogador.

 

"No caso de Cristiano Ronaldo não foram ocultos rendimentos, uma vez que o contribuinte liquidou e pagou o imposto no momento em que recebeu os rendimentos (no período que considerava procedente e com carácter prévio a qualquer actuação inspectiva). Se tivesse declarado cada ano com os critérios de valoração que os seus consultores consideravam correctos, com base na experiência inglesa, teria pago quase 300.000 euros a menos do que finalmente pagou", remata a Gestifute.

 




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 14.06.2017

Outros povos têm os Edisons, os Gates, os Bezos, os Mas, os Daimlers, os Jobs, os Huangs, os Pages, os Brins, os Zuckerbergs... e investem neles, adquirem maravilhados os produtos fantásticos que eles criam e os seus países assim enriquecem e desenvolvem-se. O mundo lusófono tem os Ronaldos e só os Ronaldos e fica espantado a olhar para eles de boca aberta enquanto aqueles chutam numa bola que faz as pessoas... contentes. Exemplo concreto da criação de valor versus extracção de valor e as suas consequências.

comentários mais recentes
Mr.Tuga 14.06.2017

Ok! Resolvido!

Esta "empresa" é de uma integridade e idoneidade acima de qualquer suspeita!

Por mim, encerra-se o assunto e chama-se o PR afectos para homenagear e condecorar o "empresário" e o chutadeiro de bola que são o maior CUrgulho dos tugas ....

Anónimo 14.06.2017

Outros povos têm os Edisons, os Gates, os Bezos, os Mas, os Daimlers, os Jobs, os Huangs, os Pages, os Brins, os Zuckerbergs... e investem neles, adquirem maravilhados os produtos fantásticos que eles criam e os seus países assim enriquecem e desenvolvem-se. O mundo lusófono tem os Ronaldos e só os Ronaldos e fica espantado a olhar para eles de boca aberta enquanto aqueles chutam numa bola que faz as pessoas... contentes. Exemplo concreto da criação de valor versus extracção de valor e as suas consequências.

Anónimo 14.06.2017

que bom portugal nunca foi provincia de espanha, houje portugal estava mergulhado numa terra deserta. espanhols sao bem envejozos. Ronaldo deve de sair de espanha o mais rapido possivel mesmo que volte para Portugal.

pertinaz 13.06.2017

OS ESPANHÓIS ODEIAM TODOS OS PORTUGUESES DE SUCESSO EM ESPANHA...!!!

pub
pub
pub
pub