Banca & Finanças Gestor da Bragaparques condenado a pagar 2,7 milhões ao Novo Banco

Gestor da Bragaparques condenado a pagar 2,7 milhões ao Novo Banco

Em causa está um adiantamento feito pelo BES a Domingos Névoa devido a problemas burocráticos no banco suíço do Grupo Espírito Santo, onde este tinha solicitado uma transferência de dinheiro.
Gestor da Bragaparques condenado a pagar 2,7 milhões ao Novo Banco
Bruno Colaço/Correio da Manhã
Negócios 11 de janeiro de 2017 às 09:14

Domingos Névoa, gestor da Bragaparques, foi condenado a pagar 2,7 milhões de euros ao Novo Banco por um crédito contraído junto do seu antecessor, o Banco Espírito Santo (BES), em 2014.

A notícia é dada esta quarta-feira, 10 de Janeiro, pelo Correio da Manhã e pelo Jornal de Notícias. A condenação foi ditada pelo Tribunal Cível de Braga.


O empresário vai recorrer da sentença, considerando que não fez nenhum empréstimo e apenas aceitou uma "livrança de favor". Na prática, Névoa terá pedido que lhe fossem transferidos da sua conta no Banque Privée Espírito Santo – na Suíça – 2,7 milhões para a sua conta no BES.


Devido a "problemas burocráticos" no banco suíço do Grupo Espírito Santo, ter-lhe-á sido sugerido que o dinheiro fosse adiantado pelo BES. A pedido de José Manuel Espírito Santo, Névoa acabou por assinar documentos para esse efeito, por lhe ter sido garantido que se tratava de um formalismo e que dentro de dias o dinheiro seria transferido.


Com o colapso do Grupo Espírito Santo, em Julho de 2014, essa transferência acabou por nunca acontecer. O Novo Banco, que ficou com os activos "bons" do BES, acabaria mais tarde por pedir a Domingos Névoa que pagasse os 2,7 milhões em causa. O empresário foi para os tribunais.


O Correio da Manhã especifica que, além dos 2,7 milhões adiantados ao empresário, Domingos Névoa também perdeu seis milhões de euros que se encontram na sua conta da Suíça.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

São "esquemas" que nem merecem qualquer comentário!!!.....

pub
pub
pub
pub