Banca & Finanças Gestor da equipa de Domingues aceita liderar Caixa Gestão de Activos
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

Gestor da equipa de Domingues aceita liderar Caixa Gestão de Activos

Tiago Ravara Marques aceitou presidir à Caixa Gestão de Activos. Era um dos gestores de Domingues que Macedo não quis e que tinha direito a indemnização de um milhão.
Gestor da equipa de Domingues aceita liderar Caixa Gestão de Activos
Tiago Sousa Dias/Correio da Manhã

Tiago Ravara Marques, um dos gestores da administração de António Domingues na Caixa Geral de Depósitos (CGD) que Paulo Macedo não levou para a sua equipa, já chegou a um entendimento com o banco público: )

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião51
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Ouriço Caixeiro Há 2 semanas

T. Ravara, ex-diretor de Pessoal do BPI, golfista e velejador, escolha do Domingues para a sua administração - entrou “a matar” na CGD gerando surdos anticorpos. Mas quem torto começa, pode vir a endireitar-se. Embora virgem em Gestão de Ativos, acredita-se que assume a presidência da atividade na CGD, não tanto como presente envenenado para o f…, mas para evitarem f… pagando-lhe indemnização de 1 M. Mas, agora já sem “o rei na barriga”, conceda-se-lhe o benefício da dúvida: vem com a escola de um BPI que sempre encarou a Gestão de Ativos menos como uma justificação para tachos de administradores parasitas, e mais como atividade exigente e de qualidade para servir os Clientes e prestigiar o Banco. Pode ser que leve a CGD a recuperar na atividade a liderança do passado, e que tal acabe por ser positivo para a Caixa, e não negativo para os Caixeiros que sempre tentaram defender os Clientes, em instituição de todos nós que bem justificaria um atuante provedor dos mais de 4 M de Clientes.

comentários mais recentes
Aristocratas e plebeus Há 1 semana

O sucesso e a qualidade na gestão de ativos não é uma questão de se ter nascido ou de se ser aristocrata ou plebeu. É uma questão de predisposição ao trabalho duro, competência, experiência, dinamismo, criatividade, autodisciplina e resiliência. Tal poderá existir no antigo BPI português ou no atual espanhol, mas seguramente também existe qb na Caixa desde que não prevaleçam os interesses de “fracos reis que tornam fracas as fortes gentes”.

Qualidade internacional ? ! Há 1 semana

Quem se julgam os caixeiros plebeus ? Não suba o sapateiro acima da chinela.Qualidade internacional é para os aristocratas do BPI, agora gerido por espanhóis.

A Caixa, os seus Clientes e o País Há 1 semana

O caso aqui comentado é mais importante do que a tentativa de evitar pagar uma vultuosa indemnização pela via de uma oportuna nomeação: Portugal está com uma taxa de poupança dramaticamente baixa, o que compromete o seu desenvolvimento futuro em condições de independência. A gestão de ativos possibilita estimular a poupança proporcionando a quem ela tem acesso rendibilidades significativamente superiores aos depósitos bancários. A Caixa tem perto de 60% dos clientes dos bancos do País. Uma gestão de ativos na Caixa, sofisticada, dinâmica, mais preocupada em servir os clientes do que em criar cargos de administradores, poderia ter relevante utilidade para os clientes da Caixa, para a Caixa, para o País. A Caixa ainda tem prestígio suficiente para recrutar os quadros competentes e experientes que estão a emigrar, e para construir uma gestão de ativos de nível internacional. O País e os seus cidadãos, acionistas do banco público Caixa, agradeceriam.

Sorte grande Há 1 semana

A presidência da gestão de ativos da Caixa poderá vir a ser eventualmente para o Tiago Ravara um presente envenenado. Mas para os trabalhadores da gestão de ativos da Caixa e para os clientes, poderá ter sido a sorte grande. O ordenado médio na gestão de ativos do BPI é de cerca de 5 mil € enquanto na Caixa é de menos de 4 mil. A BPI gestão de ativos tem ganho muito mais prémios que a Caixa gestão de ativos e em consequência o BPI, com muitos menos clientes potenciais que a Caixa, está a ganhar à Caixa em quota de mercado nos fundos de investimento.O Tiago Ravara pode ser a chicotada psicológica que mude tudo, para bem de todos, excepto dos que não quiserem trabalhar ao ritmo competitivo que é apanágio do BPI gestão de ativos .

ver mais comentários
Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub
pub
pub
pub