Empresas Gestora britânica vendeu mais de 1,5% dos CTT há uma semana

Gestora britânica vendeu mais de 1,5% dos CTT há uma semana

A Standard Life Investments, evitou, em parte, a queda de quase 14% que os CTT acumulam na última semana, motivada pela descida desta segunda-feira. Deixou de ter mais de 5% do capital da empresa de correios, o que não acontecia desde Setembro de 2014.
Gestora britânica vendeu mais de 1,5% dos CTT há uma semana
Miguel Baltazar/Negócios
Diogo Cavaleiro 30 de janeiro de 2017 às 18:29

A Standard Life Investments passou a ter menos de 5% dos CTT. A gestora britânica vendeu mais de 1% da posição que tinha na empresa de serviço postal até 23 de Janeiro, evitando o rombo de 14% registado uma semana depois.

 

A empresa britânica detinha 6,67% dos CTT, uma participação que era representada por cerca de 10 milhões de acções. Esta era a dimensão da posição desde 5 de Setembro de 2014. Agora, em comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a companhia informa que reduziu o seu peso para 4,979%, ou 7,5 milhões de títulos, na segunda-feira passada.  

 

Assim, foram alienados cerca de 2,5 milhões de títulos dos CTT por parte da Standard Life. Contudo, as transacções podem não ter ocorrido todas a 23 de Janeiro já que o comunicado refere apenas que apenas desceu da barreira dos 5% naquele dia.

 

Assim, a empresa com sede em Edimburgo evitou a quebra de 14% que os CTT registaram esta segunda-feira, 30, depois da revisão em baixa das estimativas de resultados anunciada na sexta-feira.

 

O preço das operações não é referido. A queda abaixo da fasquia dos 5% ocorreu numa sessão em que as acções dos CTT negociaram na banda dos 6 euros. Esta segunda-feira, desceram aos 5,171 euros, a cotação mais baixa de sempre.

 

Com uma posição de 4,979%, a Standard Life deixa de ser a segunda maior accionista da companhia liderada por Francisco Lacerda. Fica agora atrás de Manuel Champalimaud (Gestmin), com 9,91% do capital, mas também da Allianz Global Investors, com 6,67%, e do BNP Paribas Investments Partners, com 5%.

A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado DIXIE17 30.01.2017

Cm venderam quase há um semana e só agora é q foi comunicado? Sr.ºs acionistas ponham um processo judicial contra a CMVM porque a obrigação de comunicação e informação n foi cumprida, já pedido de indemnização... ganda balburdia de Pais!

comentários mais recentes
Anónimo 30.01.2017

Para Julius,
Afinal os CTT devem ou não um bilhao?
Não vi essa notícia em lado nenhum.
Obrigado.

julius ceaser 30.01.2017

Anda para aqui um cabrão de um parolo a dizer que os CTT devem um bilião ... mas tu parolo sanguesuga pensa que enganas alguém ...vais ter comprar CTT bem acima dos 6 daqui a 15 dias , panasca invertrebado . Qto aos acionistas de referência , bem a GESTMIN deve entrar a comprar , a SLIFE é especulação pura e dura , venderam a 6,2 € , qd entrarem pagam mais e ainda lá têm 5 % ... Importante é olhar para quem comprou na deblaque de hoje , depois conto - vos uma história .

Anónimo 30.01.2017

Isto está tão mau que até a Gestmin reduziu. No dia 19 de janeiro o principal accionista detinha 10,62% do capita.
Agora no dia 30, 9,91%!
O free-float do dia 19 para hoje aumentou em mais de 2%., ou seja, o "núcleo duro" está vendedor.

Anónimo 30.01.2017

Amanhã as acções CTT já sobem tenham calma, só lamento a degradação desta empresa um bilião passivo, muito lenta na comunicação, pesada estrutura, concerteza o banco veio afundar o que de bom ela tinha, não tem vocação para ser banco, é ver os trabalhadores, pouco nativos, sem formação.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub