Turismo & Lazer Gigante da hotelaria avisa para impacto de Trump no turismo

Gigante da hotelaria avisa para impacto de Trump no turismo

Os EUA arrancaram o ano com queda no número de turistas, perante o controlo migratório imposto pela administração Trump. O Canadá é um dos países beneficiados pelo desvio de turistas.
Gigante da hotelaria avisa para impacto de Trump no turismo
Reuters
Negócios 17 de abril de 2017 às 16:02

A cadeia hoteleira Marriott está preocupada com o impacto das políticas migratórias da nova administração norte-americana na actividade turística dos EUA, que poderão levar os viajantes a evitar voar para o país este Verão e as empresas a alterar o local de organização de viagens de congressos e incentivos.

"Não ajudam," afirmou Arne Sorenson, CEO da Marriott International, quando questionado pelo Financial Times sobre o efeito das limitações de viagem erguidas contra viajantes de alguns países de maioria muçulmana. "Não há dúvidas sobre isso. Não há forma de antecipar que sejam boas notícias," acrescentou.

A voz de Sorenson vem juntar-se à de Dara Khosrowshahi, líder da agência de viagens online Expedia, que deu conta de que as unidades hoteleiras em solo norte-americano estão a cortar nos preços para tentar atrair turistas, perante o menor interesse dos visitantes pelos EUA.

Segundo o FT, as despesas turísticas de visitantes internacionais na maior economia do mundo caíram 1% em Janeiro em termos homólogos e o Conselho Mundial das Viagens e Turismo (WTTC na sigla em inglês) detectou sinais de comportamentos "anti-americanos" entre os turistas. O mesmo organismo prevê que a actividade cresça 2,3% este ano, menos 0,5 pontos percentuais que em 2016.

O CEO da Marriott admitiu que está a tentar convencer a administração Trump a comunicar melhor com os turistas e fazer perceber as medidas que estão a ser implementadas, mas que, para já, não está a ser bem-sucedido. O reflexo está a sentir-se no México e Médio Oriente, principais alvos dos reparos de Trump em relação à migração – as reservas a partir daquelas geografias estão em queda.

Por outro lado, países como o Canadá estão a ser beneficiados com o desvio de congressos e viagens de incentivos, por receio dos organizadores em exporem os viajantes ao processo de controlo de chegadas aos EUA.


A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 18.04.2017

É o chamado "Princípio dos vasos comunicantes" ou "efeito Borboleta".

pub