Tecnologias Glintt Polska pede insolvência um ano e meio depois de anunciar encerramento da operação

Glintt Polska pede insolvência um ano e meio depois de anunciar encerramento da operação

Em Dezembro de 2015, a Glintt anunciou o encerramento da sua operação na Polónia. Hoje, a cotada informou através da CMVM que a “sociedade de direito polaco Glintt Polska requereu nesta data, em Varsóvia, a declaração da sua insolvência”.
Glintt Polska pede insolvência um ano e meio depois de anunciar encerramento da operação
Glintt
Negócios 26 de julho de 2017 às 20:33

A Glintt comunicou ao mercado, em Dezembro de 2015, que pretendia encerrar a sua operação na Polónia. Mais de um ano e meio depois, a Glintt Polska pediu a declaração de insolvência.

"A Glintt – Global Intelligent Technologies, S.A., Sociedade Aberta, vem, nos termos e para os efeitos do Artigo 248.º do Código dos Valores Mobiliários, divulgar aos senhores accionistas e ao mercado que, no seguimento da decisão de encerramento da operação Polónia, comunicada em 16 de Dezembro de 2015, a sociedade de direito polaco Glintt Polska requereu nesta data, em Varsóvia, a declaração da sua insolvência", pode ler-se no comunicado enviado à Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) esta quarta-feira, 26 de Julho.


Em Dezembro de 2015, foi noticiado que a Glintt queria encerrar a operação na Polónia, não tendo avançado com as explicações para esta decisão.


A empresa explicava, na altura, em comunicado enviado ao regulador, que o conselho de administração tinha decidido "iniciar os procedimentos tendentes ao encerramento da operação da Glintt na Polónia, incluindo o fecho da sociedade de direito polaco Glintt Polska".

A Glintt Polska, que tinha sede em Varsóvia, foi criada em 2011, dizendo a empresa, então, que pretendia com esta empresa ter "uma aposta na oferta dirigida às farmácias (robótica, software), no sector hospitalar e nos serviços de consultoria para a banca e telecomunicações".

 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub