Energia Goldenergy ultrapassa EDP no mercado de gás natural para a indústria

Goldenergy ultrapassa EDP no mercado de gás natural para a indústria

Olhando para a globalidade do mercado, a EDP domina em termos de clientes, enquanto a Galp domina em termos de consumo.
Goldenergy ultrapassa EDP no mercado de gás natural para a indústria
Bloomberg
André Cabrita-Mendes 29 de janeiro de 2018 às 21:15
A Goldenergy ultrapassou a EDP no mercado de gás natural para clientes industriais. A empresa portuguesa está na segunda posição deste mercado, com uma quota de mercado de 15%, seguida da EDP com 12,9%. A primeira posição é ocupada pela Galp, com uma quota de 54,7%.

Os dados são da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) e dizem respeito ao mês de Novembro.

Um ano antes, em Novembro de 2016, a EDP ocupava a segunda posição do mercado, com 19%, enquanto a Goldenergy detinha 12,9%. Mas, entre Novembro de 2016 e Novembro de 2017, a Goldenergy ganhou 2,3 pontos percentuais, enquanto a EDP perdeu 6,1 pontos durante este período.

Olhando para o mercado de gás natural como um todo, a EDP domina por número de clientes, com uma quota de 57,5%, seguida da Galp (24%) e da Goldenergy (14%). Em termos de consumo, o mercado é dominado pela Galp (59,4%), seguida da Endesa (12,3%) e da Gas Natural Fenosa (8,8%).

Entre os grandes consumidores, é a Galp que lidera, com uma quota de mercado de 62,6%, seguida da Endesa (13,5%) e da Gas Natural Fenosa (9,8%).

Já o mercado residencial é dominado pela EDP com uma quota de 57,7%, seguida da Galp com 23,2% e da Goldenergy com 14,5%.

Entre as pequenas e médias empresas (PME), é a EDP que surge na liderança (53,2%), seguida da Galp (31,2%) e da Goldenergy (11,4%).

O mercado liberalizado de gás natural contava com um total de 1,1 milhões de clientes em Novembro de 2017, registando 97% do consumo total de gás natural em Portugal.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
pub