Empresas Gomes da Silva é o melhor CEO em Portugal

Gomes da Silva é o melhor CEO em Portugal

A Galp Energia domina em Portugal nas relações com os investidores, de acordo com o Extel Survey. O "investor relations" da Altri lidera sector europeu.
Gomes da Silva é o melhor CEO em Portugal
Galp

Carlos Gomes da Silva é o melhor CEO português, a Galp Energia é a melhor cotada, Filipe Crisóstomo Silva o melhor administrador financeiro e Otelo Ruivo o melhor "investor relations".

 

A conclusão consta de um estudo do Extel Survey, que avalia os responsáveis das empresas europeias cotadas na sua relação com os investidores: a Galp consegue assim o pleno, arrecadando as primeiras posições nas quatro categorias que são avaliadas pelos profissionais dos mercados financeiros (analistas, investidores, gestores de fundos, etc).

 

Apesar de marcar presença assídua nestes rankings, nunca a Galp Energia tinha conseguido a primeira posição nas quatro categorias. No "ranking" divulgado no ano passado, o CEO da EDP Renováveis fora eleito o melhor presidente executivo, sendo que a Galp Energia já tinha merecido o estatuto de melhor cotada.

 

Em 2015 o estatuto de melhor CEO em Portugal foi atribuído a António Mexia, enquanto a Galp Energia já era considerada a melhor cotada.

 

O Extel Survey também distingue os melhores na área dos fundos de investimento em Portugal, com a Caixa Gestão de Activos a ser a melhor firma e Rui Nunes, também da Caixa Gestão de Activos, a ser o melhor gestor. No que diz respeito às melhores corretoras em Portugal e Espanha, o Santander continua a liderar, com o BPI a surgir na quinta posição (em 2016 era 4.º).

 

Investor relations da Altri lidera sector

 

Nos prémios deste ano há um português com um primeiro lugar europeu. Ricardo Mendes Ferreira, da Altri, foi eleito o melhor "investor relations" no sector da pasta e papel. A Altri é detida pelos mesmos accionistas da Cofina, proprietária do Negócios.

 

O português Carlos Tavares, presidente do grupo PSA Peugeot Citröen surge também na lista dos melhores CEO da Europa, na 17.ª posição. A lista é liderada por Tim Höttges, da Deutsche Telekom AG.

 

O CEO da fabricante francesa é o único português na lista, que no passado já contou com outros gestores nacionais: Zeinal Bava, António Mexia e António Horta Osório. Em 2013 o antigo CEO da PT ocupou a quinta posição no ranking geral.   

 

A lista deste ano é liderada por Tim Höttges, CEO da Deutsche Telekom, sendo que  Vittorio Colao, da Vodafone, caiu da primeira para a terceira posição.

 

Os Extel Awards são considerados o maior estudo independente sobre a comunidade de investimento. O inquérito deste ano foi realizado entre 22 de Março e 28 de Abril. A Extel recebeu votos de 3.200 empresas do chamado "buy-side" (fundos e seguradoras, por exemplo), de 3.000 analistas de corretoras e casas de "research" e de mais de 1.100 empresas cotadas. 


A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Comentador do Óbvio Há 2 semanas

Lembro-me de Zeinal Bava, Granadeiro, etc. acumularem distinções e prémios do género...

É favor pararem Há 2 semanas

É favor pararem com este jornalismo da treta ! o que é que interessa a opinião de uma "extel survey" mas o que é isto '? onde chegamos com estas notícias de trampa ?

Mr.Tuga Há 2 semanas

Esta "novela" dos ranking de XEO`s já enoja !!!!!!!!!!!

Como se um orangotango não fizesse igual em empresa praticamente SEM CONCORRENCIA!
Quando recebe a medalha do PR?!?! Como o Zeinaldo, Costeiro, Salgadeiro, Gamadeiro....

Anónimo Há 2 semanas

Eu se fosse a eles começava a ficar preocupado com a atribuição destes "títulos honorários"...Todos os nossos últimos BIG MANAGERS acabaram com as contas faustosamente recheadas e como arguidos. Mas existe uma diferença substancial. É que Américo Amorim nem veio da banca, nem da politica, e sempre disse ao que ia..Portanto acredito que estes sejam efectivamente, tal como os seus antecessores BONS GESTORES!

ver mais comentários
pub