Banca & Finanças Gonzalo Gortázar: "CaixaBank e BPI complementam-se perfeitamente"

Gonzalo Gortázar: "CaixaBank e BPI complementam-se perfeitamente"

O líder executivo do CaixaBank está "satisfeito" com o resultado da OPA sobre o BPI. "São duas instituições que se complementam perfeitamente", defendeu Gonzalo Gortázar, para quem o BPI vai ter "centro de decisão em Portugal", mesmo com um presidente espanhol.
Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar
Miguel Baltazar - Fotografia
Maria João Gago 08 de fevereiro de 2017 às 18:28

"O CaixaBank e o BPI são duas instituições que se complementam perfeitamente", sublinhou Gonzalo Gortázar na apresentação dos resultados da OPA. O banqueiro espanhol mostrou-se "satisfeito" com o facto de o grupo catalão ter ficado com quase 85% do banco português. 

 

Gortázar prometeu que o BPI vai continuar a ser "um banco português com estrutura própria e com centro de decisão no território. A comissão executiva terá uma maioria de gestores da actual equipa para facilitar a integração no grupo". Mas como a instituição anunciou, o líder executivo será o espanhol Pablo Forero. 

 

"O CaixaBank tem capital para a expansão do BPI", adiantou Gortázar sem querer comentar o processo de venda do Novo Banco. Além disso, o banco português vai passar a ter "melhor rating, para ter acesso a financiamento mais barato". 

 

O banqueiro espanhol também elogiou a gestão portuguesa. "Agradeço a Fernando Ulrich pela sua dedicação e lealdade a esta instituição. Sem ele o BPI não estaria tão robusto", defendeu. Gortázar agradeceu a Artur Santos Silva. E afirmou que o banco "teve os melhores gestores do mercado". 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
Saber mais e Alertas
pub