Tecnologias Google despede funcionário que questionou igualdade de género na empresa

Google despede funcionário que questionou igualdade de género na empresa

James Damore defendeu, num documento interno, que há razões biológicas por detrás das preferências e competências de homens e mulheres. A tecnológica considerou que o empregado pisou a linha e despediu-o.
Google despede funcionário que questionou igualdade de género na empresa
Reuters
Negócios 08 de agosto de 2017 às 11:10
O autor de um documento interno que questiona a igualdade entre homens e mulheres na indústria tecnológica, atribuindo a razões biológicas a diferença de género existente no sector, foi despedido pela Google.

O funcionário, James Damore, confirmou à Reuters a saída e disse que a demissão foi justificada pela empresa por "perpetuar estereótipos de género."

O documento com três mil palavras, da autoria de Damore, considerava que "a distribuição de preferências e competências de homens e mulheres difere em parte devido a razões biológicas... essas diferenças podem explicar porque é que não há igual representação de mulheres na tecnologia e na liderança." 

"O comportamento tendencioso de esquerda da Google criou uma monocultura do politicamente correcto," concluía o funcionário agora afastado, que tem um doutoramento em biologia de sistemas pela universidade de Harvard.

A agência cita uma nota do CEO da Google, Sundar Pichai, que na segunda-feira defendeu junto dos colaboradores que o documento preparado por Damore "viola o nosso código de conduta e pisa a linha ao contribuir para estereótipos de género nocivos no nosso local de trabalho." 

O funcionário diz estar a estudar todas as possibilidades para recorrer da decisão e diz ter sido despedido depois de ter denunciado a empresa, junto das autoridades laborais norte-americanas, por alegadamente tentar silenciá-lo.

A Reuters recupera casos recentes no sector tecnológico - como alegações de assédio sexual na Uber - como exemplos de episódios críticos do tratamento dado às mulheres numa indústria dominada por homens.

Embora muitas empresas se tenham comprometido a quotas em posições ligadas à engenharia e gestão, a igualdade de género continua por aplicar no sector, estando a Google a ser investigada por pagar menos às funcionárias mulheres que aos homens, uma acusação que é negada pela tecnológica.



A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
pertinaz 08.08.2017

VIVA A DITADURA...!!!

Mr.Tuga 08.08.2017

Era o contrario!!!!!!!!!!!! Funcionário racista de MIERDA!!

Parabens Google!

Mr.Tuga 08.08.2017

Google de MIERDA!

pub