Tecnologias Google pode conhecer hoje multa recorde

Google pode conhecer hoje multa recorde

Bruxelas deverá punir a tecnológica com uma coima de pelo menos 1,1 mil milhões de euros, a mais alta de sempre, devido a uma alegada distorção de preços nas pesquisas.
Google pode conhecer hoje multa recorde
Reuters
Wilson Ledo 27 de junho de 2017 às 10:29

A Google deverá conhecer esta terça-feira, 26 de Junho, a decisão da União Europeia sobre uma multa sem precedentes, superior a mil milhões de euros.

As agências Reuters e Bloomberg dão conta que a comissária Europeia da Concorrência, Margrethe Vestager, fará o anúncio ainda esta terça-feira, dissipando dúvidas antes da pausa para férias de Verão.

É o ponto final numa investigação que se arrasta há sete anos e onde a Google, detida pela Alphabet, é acusada de ter dado destaque aos seus preços na hora de fazer comparações no seu motor de busca, favorecendo assim o seu serviço de compras e prejudicando tanto concorrentes como consumidores.


Os rivais europeus e norte-americanos sentiram-se lesados com esta alegada prática de distorção e apresentaram queixa. Bruxelas pode agora punir a Google com a maior coima de sempre, superior a mil milhões de euros, segundo os relatos das últimas semanas.

O valor fica acima da multa de 1,06 mil milhões de euros aplicada à fabricante de "chips" Intel, em 2009.


A Comissão Europeia tem poder para multar as empresas consideradas culpadas de infringir as regras da concorrência até 10% do seu volume de negócios. No caso da Google esse valor poderia chegar aos nove mil milhões de dólares ou oito mil milhões de euros. Contudo, não se espera essa fasquia para a coima a aplicar.


Além da multa, a Comissão Europeia deverá dar indicações à tecnológica, os chamados remédios, para que pare com as alegadas práticas anticoncorrenciais, garantindo que os rivais recebem o mesmo tratamento nos resultados das compras online, através de listagens de preços no motor de busca.


A Google tem vindo a descartar as acusações ao longo dos últimos anos, considerando que as suas práticas são benéficas para consumidores e retalhistas.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub