Banca & Finanças Governador diz que elevado malparado nos bancos serviu para proteger as famílias

Governador diz que elevado malparado nos bancos serviu para proteger as famílias

O governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, disse esta quinta-feira que o elevado valor de crédito malparado no balanço dos bancos é consequência de estes terem funcionado como amortecedores da crise financeira para as famílias.
Governador diz que elevado malparado nos bancos serviu para proteger as famílias
Bruno Simão/Negócios
Lusa 01 de junho de 2017 às 13:41
"Temos elevados NPL ['non-performing loans', crédito malparado] porque temos um sistema bancário que serviu de 'buffer' entre a crise e o aforrador, teve um papel de amortecedor", disse Carlos Costa, em Lisboa, numa conferência sobre regulação e supervisão financeira.

Segundo o responsável pelo banco central, nos Estados Unidos da América, onde o mercado de capitais é forte, a crise significou elevadas perdas patrimoniais nas famílias.

Já na Europa, foi o sistema bancário que começou por absorver os efeitos da crise, com o crédito malparado, que cresceu significativamente nos últimos anos, evitando maiores efeitos no património das famílias.

Também as medidas tomadas pelos bancos centrais tiveram efeito na menor penalização das famílias, acrescentou o governador.

Contudo, disse Carlos Costa, isto também explica que a crise europeia esteja a ser mais prolongada do que a norte-americana.

"Estamos num tratamento prolongado [de cura na Europa], mas a questão que se coloca é que os tratamentos prolongados debilitam o paciente", afirmou, dizendo que é isso que faz com que tenhamos um sistema bancário já mais capitalizado, mas que não consegue acompanhar as necessidades de financiamento da economia.

O elevado crédito problemático no balanço dos bancos portugueses tem sido apontado como um dos graves problemas destes.

Segundo dados recentes do Banco de Portugal, no final de Abril deste ano, o rácio de empréstimos em incumprimento era de 15,4% face ao crédito total, abaixo dos 16,1% de Abril de 2016.

Já nas famílias, o valor passou de 5,1% de crédito vencido em Abril de 2016 para 4,7% em igual mês deste ano.

Como habitualmente, nas famílias, o malparado é maior no crédito a consumo e outros fins - 11,9% em Abril (ainda assim abaixo dos 14,2% de há 12 meses) -, do que nos empréstimos à habitação (3,0% em Abril, o mesmo de há um ano).



A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 01.06.2017

MENTIRA, grande parte do crédito malparado trata-se de crédito fraudulento que os bancos criaram para compor os balanços e simularem lucros e assim os administradores receberem remunerações avultadas. Este sr. tenta constantemente atirar areia para os olhos dos portugueses.
Os bancos têm sido grandes organizações criminosas. A memória é curta, mas as vigarices são tão frequentes que não é fácil esquecer.

comentários mais recentes
TinyTino 01.06.2017

Se banca pagasse IMI sobre a carteira de móveis que detém há muito que o problema do malparado e do mercado de arrendamento estavam resolvidos.

valentim loureiro 01.06.2017

Quais familias??? a do BPN ? a do BES ou a Familia do Banif tambem temos a familia da CGD o que nao faltam por ai sao familias

Johnny 01.06.2017

O MAL PARADO SERVIU PARA PUNIR OS CONTRIBUINTES CUMPRIDORES QUE NÃO SE METERAM EM CREDITOS E QUE TÊM FILHOS PARA SUSTENTAR E QUE NÃO TÊM NADA A VER COM ESSA TRAMPA !!!!

Anónimo 01.06.2017

O malparado dos bancos serviu para proteger os amigos construtores e os bancos entre eles, os individados foram falar com a DECO para os ajudar, mais ninguém os apoiou de 2011 até agora...

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub