Banca & Finanças Governador do Banco de Portugal diz que grandes empresas tecnológicas podem ameaçar negócio dos bancos

Governador do Banco de Portugal diz que grandes empresas tecnológicas podem ameaçar negócio dos bancos

O governador do Banco de Portugal disse hoje que grandes empresas de tecnologia têm vantagens no sector bancário, face a bancos já existentes, pelo grande volume de informação que têm dos utilizadores que lhes permite fornecer produtos financeiros personalizados.
Governador do Banco de Portugal diz que grandes empresas tecnológicas podem ameaçar negócio dos bancos
Bruno Simão/Negócios
Lusa 06 de fevereiro de 2018 às 22:23

"As novas possibilidades de tratamento e transmissão de informação vieram dar a oportunidade às entidades que, não sendo do sector bancário, foram ao longo do tempo acumulando grandes bases de dados e experiência no respectivo tratamento automático de grandes massas de informação. Essa experiência garante uma vantagem competitiva face aos incumbentes: as suas extensas bases de dados, capacidades analíticas e de processamento de dados são factores competitivos que lhes permitem explorar actividades financeiras ajustadas ao perfil de cada cliente", disse Carlos Costa na conferência Banking Summit, em Lisboa.

 

Em causa estarão entidades como Google, Facebook ou Apple, e que já desenvolvem alguns serviços financeiros.

 

Segundo o responsável pelo regulador e supervisor bancário, enquanto os bancos têm a vantagem de ter confiança dos clientes, já estas empresas têm como vantagem as  bases de dados à escala global dos seus utilizadores, bem acima das dos bancos, que são limitadas aos seus clientes e aos locais em que operam.

 

Para o governador, perante a digitalização da banca e a ameaça de novos operadores, há dois cenários que se avistam para os grandes bancos já existentes.

 

Por um lado, podem não conseguir adaptar-se e ficam limitados a ser "plataformas de captação de depósitos e de colocação de produtos" de marca branca, sem criarem produtos de valor acrescentado.

 

Já num segundo cenário, os bancos fazem investimentos e tornam as novas tecnologias parte do seu negócio, por exemplo através de parcerias com ‘fintech’, tirando "partido da confiança e notoriedade histórica" da sua marca junto dos seus clientes e criando produtos de crédito, de poupança ou de investimento ajustados.

 

"Estes cenários não são mutuamente exclusivos, e o resultado final poderá bem ser uma combinação de ambos", disse o Governador, admitindo "um efeito de concentração dentro do sector para criar sinergias" entre operadores.

 

Carlos Costa falou também da regulação impostas aos novos operadores no sector bancário, depois de hoje à tarde o presidente da Associação Portuguesa de Bancos (APB) ter pedido que todos sejam sujeitos às mesmas regras.

 

Para o responsável, é importante que a regulação não cause entraves à adopção de novas tecnologias, que dê um "tratamento justo e equilibrado" entre os bancos existentes e novos operadores e que haja "uma actuação coordenada entre reguladores e supervisores a nível nacional e europeu", para que não haja locais com menos regras onde os operadores que aí estão tenham vantagens na concorrência com outros.

 

O governador falou ainda da directiva de serviços de pagamentos (PSD2, em ingês), que ainda não entrou em vigor em Portugal, pelas implicações no sector bancário ao permitir que novos operadores (como ‘fintech') façam serviços de pagamentos e acedam mesmo à informação que os bancos têm dos clientes, desde que com autorização destes.

 

Carlos Costa recordou estudos que consideram que esta directiva significa "o maior desafio à banca de retalho desde a invenção das ATM [Multibanco], há cerca de 50 anos", e que pode "colocar em risco entre 25% e 40% do produto líquido bancário".




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Desanimado Há 1 semana

https://www.dn.pt/dinheiro/interior/comissoes-bancarias-tiram-cinco-milhoes-de-euros-por-dia-das-contas-dos-clientes-9091704.html

Não basta barafustar, é preciso AGIR!!!
https://www.deco.proteste.pt/campanhas/comissoesfora/

Desanimado Há 1 semana

Podes crer carlinhos, e se não cobrarem as comissões escandalosas que tu permites que a banca cobre. então os clientes passam-se todos para lá.

pub