Empresas Governo admite acabar com subsídios às renováveis

Governo admite acabar com subsídios às renováveis

O fim das tarifas subsidiadas para a produção de energia renovável, que este ano deverão custar perto de 500 milhões de euros ao País, é um cenário admitido num documento que será enviado para Bruxelas.
Miguel Prado 19 de julho de 2010 às 00:01
O Governo português admite acabar com os subsídios dados à produção de energias renováveis através das tarifas subsidiadas ("feed-in tariffs", ou FIT).

Essa é uma possibilidade que o Executivo assume no Plano Nacional de Acção para as Energias Renováveis (PNAER), cuja versão final já está pronta e será enviada à Comissão Europeia muito em breve.

"No futuro, e dependendo da evolução da competitividade das tecnologias e do seu grau de maturidade, as instalações produtoras de electricidade a partir de fontes de energia renováveis poderão deixar de beneficiar de uma FIT regulada, passando a estar imediatamente integradas no mercado de electricidade", refere o PNAER na sua última versão, que pode ainda ser objecto de comentários até dia 21. O Governo diz que para já "ainda não estão definidos prazos para que isso venha a acontecer".









logo_empresas




A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
otsiger 19.07.2010

isto de subsidiar as tarifas é uma idiotice. Causa compromissos de logo prazo, uma burucracia termenda organismos reguladores e tachos para pagar a muinta gente. devia era ser subsideado como qualquer projecto agricola, com uma percentagem sobre o investimento. A ventoinha custa 750.000 € colocado no sitio, O investidor pagava uma parte, o estado portugues outra e a cumunidade outra e pronto . O negocio vale apena faz-se não val morre á nascença. Se para funcionar o estado e a cumunidade tem de pagar 100% pois que seja. Agora se vamos ficar a ter de pagar a tarifa mais cara o resto da vida vão pro Car... os F.. da P.. que se lembraram disto.
Só o que o estado pagou este ano dava para ele próprio montar 667 ventoinhas. Quem ana a defender os interesse do estado ???? Ninguem....

otsiger 19.07.2010

É subsídios para tudo. Tenham juízo. Se a produção de energia eólica fosse competitiva não precisava de subsídios. Quando essa energia for competitiva as grandes companhias entrarão nela em força e sem subsídios.

jolugo 19.07.2010

Que inteligências!
Agora que os Sr's dos Lobbies ganharam o seu, é cortar nos incautos que foram empenhar-se para também conseguirem algum dividendo. O problema é que os "tubarões" já comeram a 'carne' toda!
Pobres daqueles que atraídos pelas vozes sabichonas dos interesseiros se 'metem' em assuntos que não devem! Pobres fracos de espírito e total desconhecimento!
Ainda nos resta, a nós que detemos algum conhecimento, ver o que vai acontecer ao défice de longo prazo criado pela EDP com esta mama toda!
Depois é que se querem ver quais as Empresas de Sucesso e que tantos milhões deram a ganhar em prémios aos seus supremos gestores de topo! Esses mesmos milhões que nos virão, mais tarde, cobrar!
Bem haja ao Povo!

ze_justo 19.07.2010

ahahhah que vontade de rir.quero ver qual é a empresa de renovaveis que sobrevive quando os governos cortarem a torneira!!!!!!

ver mais comentários
pub