Energia Governo aposta na mobilidade eléctrica para reduzir 26% de emissões de carbono até 2030

Governo aposta na mobilidade eléctrica para reduzir 26% de emissões de carbono até 2030

O Governo vai manter a aposta na mobilidade eléctrica no sentido de reduzir cerca de 26% as emissões de carbono até 2030, anunciou hoje o secretário de Estado Adjunto e do Ambiente.
Governo aposta na mobilidade eléctrica para reduzir 26% de emissões de carbono até 2030
Bruno Simão
Lusa 18 de maio de 2017 às 15:06

"Os objectivos que Portugal tem estabelecidos são de cortar, até 2020, 14% das emissões e 26% até 2030, através de planos de mobilidade sustentável que apostem em transporte partilhado e em veículos que não produzam emissões", disse à agência Lusa o secretário de Estado Adjunto e do Ambiente, José Mendes.

 

O governante falava em Portimão, durante a abertura da Smart Regional Summit e à margem da assinatura de um protocolo entre a Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL), o Turismo de Portugal, a Mobie.E e a ARAC - Associação dos Industriais de Aluguer de Automóveis Sem Condutor, no âmbito da promoção da mobilidade eléctrica e do turismo sustentável na região do Algarve.

 

O protocolo prevê a instalação de 32 postos de carregamento de veículos eléctricos, dois em cada um dos 16 concelhos do Algarve, pela Mobie.E, empresa que gere os pontos de carregamento de veículos eléctricos no país.

 

"Esta iniciativa irá dotar todos os municípios do Algarve de carregadores eléctricos semi-rápidos, disponíveis na via pública, no quadro do que é a política do Governo para a mobilidade e para a melhoria da qualidade de vida", destacou o secretário de Estado Adjunto e do Ambiente.

 

De acordo com José Mendes, este projecto "ambicioso, reforça a aposta" que o Governo está a fazer em todo o país para "incentivar a aquisição e utilização de veículos eléctricos".

 

"Vamos instalar carregadores semi-rápidos por todo o país e, através de uma parceria com a Secretaria de Estado do Turismo e com o Turismo de Portugal, iniciámos a instalação pelo Algarve, de forma que possamos ter muito rapidamente uma rede vasta e densa de carregadores na região", sublinhou.

 

Na opinião de José Mendes, a rede de carregadores semi-rápidos no Algarve introduz também um fator de diferenciação na oferta turística da região e proporciona melhores condições de mobilidade aos residentes e aos turistas.

 

"É mais um passo no programa de mobilidade eléctrica, com uma rede nacional de carregamentos e uma elevada taxa de incorporação de energia eléctrica limpa produzida a partir de fontes renováveis", frisou.

 

Por seu turno, a secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, disse à Lusa que o projeto-piloto iniciado no Algarve visa posicionar a região "como um destino de turismo sustável, líder no mundo".

 

"Trata-se de uma iniciativa que acolhe a aprovação de todos, inclusive da associação de 'renta-a-car', que se uniu ao projecto e que vai disponibilizar carros de aluguer eléctricos no Algarve, sendo uma forma de provar que a região se está a posicionar como destino de turismo sustentável, cada vez mais uma das tendências da nossa procura", sublinhou.

 

Segundo Ana Mendes Godinho, a estratégia entre os ministérios do Ambiente e do Turismo é "o reconhecimento de que a sustentabilidade ambiental é crucial para o futuro".

 

A responsável disse ainda que os 32 postos de carregamento semi-rápidos nos 16 municípios do Algarve são ser implementados nos próximos dois meses.

 

O protocolo para a instalação da rede foi assinado na abertura da Smart Region Summit, um fórum internacional de projectos de mobilidade urbana sustentável que decorre no Autódromo Internacional do Algarve, em Portimão.

 

Idealizado pela AMAL e pelo projecto "Smart region", o fórum pretende colocar as 16 câmaras da região a pensar, em conjunto, na forma de definir uma política de transportes intermodal, com recurso às novas tecnologias amigas do ambiente.

 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 18.05.2017


Os cortes salariais de 3,5 a 10%, foram impostos pelo PS de Socrates e Costa.

Ao contrário do que os hipócritas de esquerda tentam fazer crer.

comentários mais recentes
Anónimo 26.05.2017

Isso provavelmente sai mais barato do que apostar nos transportes públicos e na mobilidade ativa mas não resolve o problema da mobilidade nas cidades nem a poluição associada à produção de carros eléctricos: dos seus plásticos e das suas baterias.

Anónimo 18.05.2017

Então se os cortes foram feitos inicialmente pelo PS de Sócrates e Costa, significa que os hipócritas da direita podem votar PS de consciência tranquila. Podem deixar de dizer que o PS é um partido despesista.

Anónimo 18.05.2017


Os cortes salariais de 3,5 a 10%, foram impostos pelo PS de Socrates e Costa.

Ao contrário do que os hipócritas de esquerda tentam fazer crer.

pub