Empresas Governo aprova condições para vender 5% da EGF aos seus trabalhadores

Governo aprova condições para vender 5% da EGF aos seus trabalhadores

Três anos depois da privatização da EGF, foram aprovadas as condições para os seus trabalhadores poderem comprar acções da empresa de resíduos.
Governo aprova condições para vender 5% da EGF aos seus trabalhadores
Correio da Manhã
André Cabrita-Mendes 25 de maio de 2017 às 18:10
O Governo de António Costa aprovou as condições para os trabalhadores da Empresa Geral de Fomento (EGF) poderem comprar até 5% da empresa de resíduos.

"Foi aprovada a resolução que fixa as condições a observar na Oferta Pública de Venda (OPV) de acções da EGF destinadas aos respectivos trabalhadores, até um máximo de 5% do capital social da empresa", pode-se ler no comunicado do conselho de ministros desta quinta-feira, 25 de Maio.

Foi em Setembro de 2014 que o Governo de Pedro Passos Coelho anunciou que o consórcio Suma, liderado pela Mota-Engil, era o vencedor da privatização da EGF pelo valor total de 150 milhões de euros, superando a oferta de 145,3 milhões apresentada pelos espanhóis da FCC.

O processo de compra da empresa que pertencia ao grupo Águas de Portugal ficou concluído em Julho de 2015 quando a Autoridade da Concorrência aprovou a operação. 

A EGF assegura a recolha, transporte, tratamento e valorização de resíduos sólidos urbanos, através das suas 11 empresas concessionárias. A empresa gerou um volume de negócios de 454 milhões de euros em 2015, mais 36% face a período homólogo. 

A empresa gerou um volume de negócios de 186 milhões de euros em 2016, com um lucro de 12 milhões de euros. A companhia está presente em 174 municípios, servindo um total de 163 milhões de habitantes.



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 29.05.2017

163 milhões de habitantes?????

Paulp 25.05.2017

Então está empresa não é 100 por cento da mota engil o estado vai vender o quê aos trabalhadores??

pub
pub
pub
pub