Transportes Governo aprova factura única portuária

Governo aprova factura única portuária

A medida de simplificação administrativa pretende assegurar que todos os valores cobrados por diferentes entidades em cada escala de um navio passem a ser facturados por uma única.
Governo aprova factura única portuária
Bruno Simão
Negócios 15 de dezembro de 2016 às 18:57

O Governo aprovou esta quinta-feira em Conselho de Ministros a factura única portuária por escala de navio, um sistema que agrega a facturação de todas as entidades públicas competentes, nos actos de despacho de largada, para cada escala de navio.


Em comunicado, o Executivo explica que esta medida "procura assegurar que todos os valores cobrados pelas várias entidades envolvidas passem a ser facturados por uma única entidade, com evidentes vantagens para os armadores e com importantes impactos na redução de custos administrativos e de contexto e ganhos económicos relevantes".


As estimativas, acrescenta, apontam para que possa implicar a redução directa dos custos por escala de navio e uma economia de cerca de 600.000 folhas de papel por ano para cada 3.000 navios.


"Constituindo os portos nacionais um pilar fundamental para o desenvolvimento económico de Portugal, sobretudo na alavancagem das exportações, a simplificação administrativa assume primordial importância, sendo estrutural a opção de eliminação da burocracia, facilitando o exercício de actividades económicas, assegurando maior segurança e clareza nas relações administrativas, diminuindo os custos de contexto e aumentando a competitividade", afirma no comunicado.


A criação da factura única portuária, que faz parte do Simplex 2016, foi uma das medidas anunciadas pelo Executivo no Conselho de Ministros dedicado à economia do mar, realizado em Março.

 

O Governo assumiu então que esta agregação da facturação de todas as entidades públicas prestadoras de serviços seria implementada como projecto-piloto no porto de Sines e seria estendida a todos os portos nacionais até ao final deste ano.


A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 15.12.2016

Em Lisboa agora só falta tirarem de lá também as moscas e devolverem aquele espaço à Cidade!

lisboeta 15.12.2016

No Porto de lisboa não é necessário . . . está ás moscas desde a última greve daqueles calões e mafiosos que se dizem trabalhadores.

pub
pub
pub
pub