Agricultura e Pescas Governo aprova quatro novas centrais de biomassa num investimento de 185 milhões de euros

Governo aprova quatro novas centrais de biomassa num investimento de 185 milhões de euros

O Governo deu luz verde a quatro novas centrais eléctricas de biomassa florestal, a instalar nos concelhos de Vila Velha de Rodão, Mangualde, Figueira da Foz e Famalicão, representando um investimento de cerca de 185 milhões de euros.
Governo aprova quatro novas centrais de biomassa num investimento de 185 milhões de euros
Bruno Simão/Negócios
Lusa 08 de julho de 2017 às 09:53

De acordo com a secretaria de Estado da Energia, os promotores dos projectos são a Sociedade Bioelétrica do Mondego, a EDP Produção Bioelétrica, a PA Biomassa, SA e a SIAF – Sociedade Iniciativa e Aproveitamentos Florestais, Energia, S.A., cujas centrais possuem potências instaladas de 55 MW, 35 MW, 15 MW e 12 MW, respectivamente.

Referentes a concursos anteriores a 2011, os projectos aprovados dispõem de remuneração garantida e têm que entrar em exploração até ao final de 2019, refere a nota do gabinete de Seguro Sanches (na foto).

Com a atribuição destas quatro licenças de produção, elevam-se para oito o número de projectos e de reforços de centrais de biomassa já licenciados durante a actual legislatura, juntando-se às anteriores em Famalicão, Fundão, Viseu e Porto de Mós.


Em 2006, foram lançados procedimentos de concurso público para construir e explorar centrais de biomassa florestal residual, mas a iniciativa privada deixou por instalar 50% da potência de injecção então colocada a concurso e que agora o Governo quer atribuir.


"Esta medida enquadra-se assim na estratégia do Governo de prevenção e minimização do risco de incêndios, com intervenção ao nível da floresta, bem como de promoção e diversificação da economia regional e de aproveitamento dos recursos endógenos", refere fonte oficial da secretaria de Estado da Energia.


Em paralelo, o Governo criou um regime especial e extraordinário para instalação e exploração de centrais de biomassa pelos municípios ou, por decisão destes, por comunidades intermunicipais ou por associações de municípios, potenciando o objectivo de assegurar aos produtores florestais o valor do material lenhoso.


A potência de injecção na rede eléctrica a atribuir, ao abrigo desta legislação, não deverá exceder um total de 60 MW e um máximo de 15 MW por central, as quais beneficiarão de medidas de apoio à venda da electricidade, cujo processo de aprovação já se iniciou.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 08.07.2017

O Distrito de Viana é dos distritos que mais residuos florestais tem. Uma central no centro do distrito produzia energia electrica e ajudava a limpar os montes, pagando esses residuos a peso aos produtores.

pub