Transportes Governo autoriza 14 milhões de euros em indemnizações compensatórias nos transportes

Governo autoriza 14 milhões de euros em indemnizações compensatórias nos transportes

O Governo deu autorização para o pagamento de indemnizações compensatórias nos transportes, num montante que ascende a 14 milhões de euros. Em causa estão valores em atraso e referem-se aos últimos três anos.
Governo autoriza 14 milhões de euros em indemnizações compensatórias nos transportes
Sara Antunes 30 de dezembro de 2016 às 10:29

O Governo aprovou a distribuição das indemnizações compensatórias já incluídas no Orçamento do Estado para este ano. Os valores que serão pagos referem-se ao serviço público de transporte colectivo de passageiros referente aos anos 2014, 2015 e 2016, de acordo com a resolução publicada esta sexta-feira, 30 de Dezembro, em Diário da República.

 

Assim, fica definido que as empresas privadas de transporte da área metropolitana de Lisboa vão receber um total de 13.880.978 euros. Este valor será para cobrir os títulos de transporte intermodais, ou seja os passes combinados entre mais do que dois operadores, L1, L12, L123, L123SX, L123MA, 12, 23 e 123, refere o documento publicado hoje.

 

Estes passes incluem empresas como a Carris, Comboios de Portugal, Grupo Transtejo, Lisboa Transportes, Metropolitano de Lisboa, Rodoviária Lisboa, Transportes Sul do Tejo, Transportes Colectivos do Barreiro e Scotturb.

 

Além desta despesa, o Governo autorizou ainda o pagamento de 110.122 euros ao Município do Barreiro como "compensação financeira pela disponibilização de títulos intermodais de transporte, nos anos de 2014, 2015 e 2016".

 

O Negócios já tinha noticiado que o Governo tinha começado a pagar compensações em atraso, depois de ter alterado as regras de cálculo das compensações pelo passe intermodal (que permite utilizar diversos operadores da Área Metropolitana de Lisboa).

 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub