Transportes Governo avança com estudos para mais três linhas no Metro do Porto

Governo avança com estudos para mais três linhas no Metro do Porto

O ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, deu conta da intenção durante a apresentação da nova linha Rosa e do prolongamento da linha Amarela na cidade. 
Alexandra Noronha 07 de fevereiro de 2017 às 12:52

O ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, garantiu esta terça-feira, 7 de Fevereiro, que a expansão do Metro do Porto não se esgota na nova linha Rosa, entre São Bento e a Casa da Música, nem na expansão da linha Amarela para Gaia, até Vila d'Este, dois empreendimentos que deverão estar concluídos em 2021 e custarão quase 290 milhões de euros.

 

O governante destacou mais três projectos que serão estudados, em simultâneo: uma ligação a Gondomar, outra directa do pólo da Asprela à Maia e uma terceira para Vila Nova de Gaia até às Devesas, que implicará uma nova ponte sobre o Douro. Segundo o ministro, este último é o que tem estudos mais avançados, que datam da altura em se começou a analisar a expansão do metro na cidade. E é o que tem mais condições para avançar. 

 

"O das Devesas é o que tem um grau de maturidade maior. No que diz respeito ao projecto da Asprela até a Maia há um estudo de procura e o de Gondomar chegou há mesmo muito pouco tempo, e que implica mais análise" referiu o ministro. 

 

Matos Fernandes reconheceu que estes três projectos já não cabem no actual programa de fundos comunitários que acaba em 2020. Mas está confiante que entrem em futuros quadros comunitários. "Acreditamos firmemente que vai haver hipóteses. Foi errado que não se tenha previsto a expansão na mesma altura. Foram dois anos em que quase nada foi investido", lamentou o governante, que anunciou ainda um investimento de 60 milhões para comprar 600 autocarros para todo o país, 200 para a Carris, 200 para a STCP é o resto para outras cidades. 

 

O presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, adiantou ainda que irá em breve divulgar os resultados do concurso para o terminal intermodal de Campanhã. "Nos 500 milhões que o Governo destinou ao metro, o Porto fica com mais verba do que Lisboa. E bem precisa. O efeito não se deve esgotar aqui é a Câmara está a estudar novas soluções em canais mais dedicados e ligeiros, soluções de metrobus que podem resolver problemas antes do metro. Isto é facilitado pela passagem da gestão da STCP para as câmaras", referiu o autarca. 

 

A construção da linha Rosa e o prolongamento da Amarela deverão estar adjudicadas em 2019 e irão trazer mais 33.295 clientes por dia ao Metro do Porto. 

Novas linhas do Metro do Porto vão custar 287 milhões de euros

São duas as novas linhas que a administração da Metro do Porto vai aprovar esta terça-feira, para abrirem em 2021. A expansão da rede vai exigir um investimento de 287 milhões de euros.    

Linha Rosa: Casa da Música-S. Bento

A nova linha rosa (G) vai ligar as estações da Casa da Música e S. Bento, com um total de mais de 2,7 quilómetros de extensão em via dupla. Contará com quatro novas estações, todas subterrâneas: Casa da Música, Galiza, Hospital de Santo António e S. Bento II. O projecto prevê que as estações da Casa da Música e S. Bento sejam totalmente novas, integrando-se, através de túneis pedonais, com as actuais estações com os mesmos nomes. O custo desta linha é de 181 milhões de euros.      

 

Linha Amarela: Santo Ovídio-Vila d'Este 

O prolongamento da estação de Santo Ovídio até Vila d' Este, em Vila Nova de Gaia, terá uma extensão de 3,2 quilómetros em via dupla. Terá três novas estações, uma delas subterrânea, um viaduto com cerca de 600 metros e um túnel com cerca de 800 metros. Segundo o projecto, o troço entre as estações Hospital e Vila d'Este terá uma ramificação de acesso ao parque de material circulante a construir. O custo previsto do prolongamento do metro em Gaia é de 106 milhões.    




A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
HISTORIADOR Há 3 semanas

No tempo do governo do Durão Barroso, o agora Goldman sachs's man, os TGVs planeados e a construir eram SÓ 5 (cinco)! Porque raio me veio à memória?

Anónimo Há 3 semanas

Há muitos bairristas ressabiados que se esquecem que a capital serve o país e não se serve dele. Há mais de um século que o grosso do investimento estatal está lá, pago pelo contribuinte. Lisboa não devia ter mais um cêntimo de verbas até o resto do país equilibrar essa discrepancia.

Anónimo Há 3 semanas

A área metropolitana ficaria melhor servida com linhas de superfície a ligar Gondomar - Porto, Valongo - Rio Tinto - Porto, Maia - Porto pela Asprela, Gaia - Porto sem fazer uma nova ponte, e sem a linha Rosa que não passa dum projecto de vaidade e não é necessária, e mais linhas de autocarros.

O PORTO PARECE DESCONHECER QUE A CAPITAL É LISBOA Há 3 semanas

O investimento que vai ser feito no Metro do Porto é da módica quantia de 280 milhões de euros.
Porém, um representante dos bimbos, mesmo assim, não valoriza esse esforço financeiro e diz que isto é muito pouco.
OU SEJA, POR OUTRAS PALAVRAS, OS MORCÕES QUEREM O PAÍS A TRABALHAR SÓ PARA ELES ...

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub