Mercados Governo completa administração da CMVM

Governo completa administração da CMVM

Na próxima segunda-feira, a CMVM vai abrir com o conselho de administração totalmente preenchido. Afonso Silva foi aprovado quinta-feira em Conselho de Ministros e é o mais recente membro da equipa liderada por Gabriela Figueiredo Dias.
Governo completa administração da CMVM
Miguel Baltazar/Negócios
Diogo Cavaleiro 13 de Janeiro de 2017 às 17:49

O conselho de administração da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) fica completo esta segunda-feira. É para 16 de Janeiro que está marcada a entrada em funções de Afonso Silva, que vai completar a equipa.

 

O nome foi aprovado esta quinta-feira, 12 de Janeiro, em Conselho de Ministros e publicado, um dia depois, em Diário da República.


"O Conselho de Ministros resolve: Designar, sob proposta do Ministro das Finanças, José Afonso Godinho Gonçalves da Silva, por um mandato de seis anos, para o cargo de vogal do conselho de administração da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários", indica a Resolução do Conselho de Ministros n.º 15-B/2017.

 

A "idoneidade, competência técnica, aptidão, experiência profissional e formação adequadas ao exercício das respectivas funções são evidenciadas" pelo currículo de Afonso Silva, indica o mesmo documento. O novo vogal da CMVM foi presidente da Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P., e da Açoreana. 

 

A entrada em funções está agendada para 16 de Janeiro, juntando-se à equipa liderada por Gabriela Figueiredo Dias, a ex-vice-presidente que substituiu Carlos Tavares 11 anos depois da sua chegada à liderança do organismo. Rui Correia Pinto, com origem no Banco de Portugal, e João Gião, que trabalhou na CMVM no passado e foi contratado ao Mecanismo Europeu de Estabilidade, são os outros vogais do conselho cuja vice-presidente é Filomena Oliveira, vinda da Caixa Geral de Depósitos.

 

Criada em 1991, a CMVM tem como missão a supervisão e a regulação do mercado de valores mobiliários, exercendo funções de "polícia" das bolsas. De momento, a oferta pública de aquisição lançada pelo CaixaBank ao BPI é um dos temas em cima da mesa.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Jota Há 1 semana

Tanto tacho meu Deus, tanto tacho... Não há maneira de o País se livrar disto?

surpreso Há 1 semana

Cambada de ch,ulos inúteis, que colaboraram no roubo feito aos accionistas do BCP

pub
pub
pub
pub