Empresas Governo conclui venda da EID à britânica Cohort e mantém 20% e "direitos especiais"

Governo conclui venda da EID à britânica Cohort e mantém 20% e "direitos especiais"

O Estado português vai manter uma posição estratégica de 20 por cento do capital e "direitos especiais" na empresa tecnológica de defesa EID, no final de um processo de venda de 80 por cento à britânica Cohort.
Governo conclui venda da EID à britânica Cohort e mantém 20% e "direitos especiais"
Marta Poppe
Lusa 27 de novembro de 2017 às 07:15

Em comunicado, o ministro da Defesa Nacional, Azeredo Lopes, congratulou-se hoje com o resultado das negociações, que terminaram na sexta-feira com a venda de uma parcela de 23% da EID (Empresa de Investigação e Desenvolvimento da Eletrónica, SA) por 4,3 milhões de euros.

 

Com a operação, que culmina mais de um ano de negociações, a Cohort passa a deter 80% do capital social da EID e o Estado português mantém "uma participação estratégica de 20%", através da EMPORDEF -- Empresa Portuguesa de Defesa, que fica com 18% e do IAPMEI - Agência para a Competitividade e Inovação, com 2%.

 

Segundo o Governo, o acordo com a Cohort "estabelece a reserva de direitos especiais de protecção dos interesses do Estado", prevendo a "designação de um membro do Conselho de Administração, a aprovação do plano estratégico da empresa e a autorização para mudança de local de sede e de produção".

 

Pelos 23% da EID, a Cohort já tinha pago, a título de sinal, 408.943 euros, faltando liquidar 3.974.000 euros, é referido no comunicado.

 

"O desfecho salvaguarda, plenamente, os interesses nacionais numa das empresas portuguesas de desenvolvimento tecnológico mais avançadas e estratégicas no domínio da electrónica e das comunicações militares", considera a tutela.

 

Em Junho do ano passado a Cohort anunciou a compra de 56,89% da empresa portuguesa. Na mesma altura, divulgou a intenção de adquirir mais 23%, deixando ao Estado português 20%. A "reserva de direitos especiais" para o Estado português resultou da negociação que ficou concluída na sexta-feira.

 

A EID é uma empresa portuguesa de alta tecnologia, especializada em comunicações navais, comunicações tácticas e sistemas de informação e atua no mercado da Defesa em geral, empregando cerca de 140 trabalhadores.

 

Entre outras empreitadas, a empresa, criada em 1983, equipou com sistemas de controlo de comunicações mais de 140 navios das marinhas de Portugal, Espanha, Reino Unido, Brasil e Austrália, entre outras, e instalou sistemas de intercomunicações em mais de 2.600 viaturas militares portuguesas, alemãs, egípcias, turcas e outras.

 

De Janeiro de 2016 a Abril de 2017, a empresa facturou 28,3 milhões de euros, 24,2 dos quais em exportações.

 

A Cohort, que foi criada em 2006, trabalha nas áreas de sistemas de informação, guerra electrónica, comunicações, cibersegurança e 'drones', entre outras.

 

Em 2014, o governo anterior (PSD/CDS-PP) decidiu alienar a totalidade da EID, mas o actual executivo quis renegociar para manter uma participação pública na empresa, pretendendo "corrigir irregularidades significativas identificadas pela Unidade Técnica de Acompanhamento e Monitorização do Setor Público Empresarial (UTAM) no procedimento inicial".




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
JCG Há 1 semana

Porra*! se é uma empresa tão importante porque raio a vendem aos ingleses por meia dúzia de tostões? cláusulas de salvaguarda?!... valem tanto como manteiga em focinho de cão. Os portugueses em cargos de defesa do interesse público têm-se notabilizado pelo empenho que põem no seu trabalho...