Automóvel Governo continua a acompanhar situação na Autoeuropa e reuniu-se com a Volkswagen

Governo continua a acompanhar situação na Autoeuropa e reuniu-se com a Volkswagen

O ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, disse este domingo à Lusa que o Governo tem "estado em contacto" com as duas partes no impasse que vigora na Autoeuropa, informando ter-se também reunido com o presidente executivo (CEO) da Volkswagen.
Governo continua a acompanhar situação na Autoeuropa e reuniu-se com a Volkswagen
Bruno Simão/Negócios
Lusa 03 de setembro de 2017 às 15:20
Em declarações à margem de uma visita a Vila Nova de Gaia para assistir a último dia da prova de acrobacia de aviões Red Bull Air Race, a decorrer num circuito desenhado no rio Douro, o governante negou que da parte da tutela esteja a haver um silêncio estratégico.

"O Governo tem estado atento e em contacto com as duas partes. Estive em Milão com o CEO da Volkswagen para lhe transmitir que este é um investimento muito importante e no qual o país está empenhado", disse.

Neste cenário, Manuel Caldeira Cabral defendeu que se deve tentar "conseguir encontrar uma posição comum entre a administração da empresa e os interesses da administração e as reivindicações naturais dos trabalhadores".

"Penso que é nesse sentido que a administração está a trabalhar, com sentido de responsabilidade, a mesma com que os trabalhadores estão a tentar encontrar uma plataforma de entendimento para que haja paz social", acrescentou.

No seu entender, essa paz social "tem sido uma marca desta empresa e uma marca que reforçou muito a atracção deste investimento".

Por isso, mostrou "certo de que em investimentos futuros a Volkswagen vai continuar a apostar nesta fábrica".

Mantendo o optimismo em relação ao diferendo na fábrica de produção de automóveis de Palmela (distrito de Setúbal), o ministro reafirmou que "vai ser possível encontrar uma solução".

Os trabalhadores da Autoeuropa cumpriram na quarta-feira um dia de greve, a primeira paralisação por razões laborais na fábrica de automóveis do grupo Volkswagen.

A greve foi marcada após a rejeição de um pré-acordo entre a administração e a Comissão de Trabalhadores (que apresentou a demissão e convocou eleições para 3 de Outubro), devido à obrigatoriedade de os funcionários trabalharem ao sábado, como está previsto nos novos horários de laboração contínua que serão implementados a partir do próximo mês de Novembro.



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
General Ciresp Há 2 semanas

Pergunta ao d.branca onde e que ele se escondeu quando assaltaram Tancos.ja tenho dificuldade em distinguir entre um empenho com uma GADELHA,secalhar e um empenho engadelhado.

Anónimo Há 2 semanas

A empresa precisa de trabalhar ao sábado, quem não estiver contente que vá embora. Não falta quem queira trabalhar na Autoeuropa.

pub
pub
pub
pub