Agricultura e Pescas Governo contraria cientistas e insiste em capturar até 14 mil toneladas de sardinha

Governo contraria cientistas e insiste em capturar até 14 mil toneladas de sardinha

O Governo procura contornar a recomendação científica de suspensão total da pesca. A ministra do Mar argumenta que é preciso conciliar a sustentabilidade ambiental com a sustentabilidade das comunidades piscatórias.
Governo contraria cientistas e insiste em capturar até 14 mil toneladas de sardinha
Pedro Elias
Negócios com Lusa 20 de outubro de 2017 às 18:12
A ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, afirmou na sexta-feira que o Governo vai propor que os limites de captura de sardinha para Portugal e Espanha para 2018 sejam entre 13,5 e 14 mil toneladas. "O intervalo que vamos propor para os limites de captura para os dois países situa-se entre as 13,5 e 14 mil toneladas, é um decréscimo que nos permite, ainda assim, um crescimento expectável da biomassa de 5,8%", referiu, citada pela Lusa.

Na prática, isto significa uma redução marginal face às 17 mil toneladas capturadas este ano, ficando portanto muito longe da recomendação científica que foi hoje conhecida: o ICES, organismo que aconselha a Comissão Europeia nestas matérias, pediu uma suspensão total da pesca em 2018, de modo a permitir uma recuperação mais acelerada do stock de sardinha, muito debilitado. 

Confrontada com este contraste, a ministra do Mar diz que tem que ser garantido um ponto de equilíbrio entre a sustentabilidade do 'stock' e a das comunidades piscatórias.

"Estas decisões têm que ter um ponto de equilíbrio entre aquilo que é a sustentabilidade do 'stock' porque se acabarmos com ele não haverá pesca no futuro [...] mas, também temos que ponderar outros factores, nomeadamente a sustentabilidade social das comunidades piscatórias que dependem destas pescarias", sublinhou, citada pela Lusa.

No que se refere à aplicação de medidas para limitar a captura da sardinha, a ministra do Mar disse que foi estabelecido um pacote de medidas que engloba o aumento do período de defeso de 30 para 60 dias, o incremento da análise e acompanhamento científico da matéria em causa, bem como a criação de uma área de repovoamento e de não pesca.

"Temos duas acções que nos parecem importantes, criar uma área para repovoamento [...], numa determinada área vamos tentar aumentar os juvenis e estabelecer uma área de não pesca, onde existe uma pior relação entre o que é pescado e o que aparece de novo", acrescentou.

Porém, Ana Paula Vitorino garante que, apesar da recuperação dos níveis de sardinha ainda não se fazer sentir de uma forma substancial, houve um crescimento da biomassa.

"O ano passado, tínhamos uma primeira recomendação do ICES de que devíamos ficar [pela captura] de mil e quinhentas toneladas, mas estabeleciam-se cenários [...] e o que nós escolhemos foi aquele que nos permitia ter um crescimento acima de 5% e, por isso, foram fixadas 17 mil toneladas entre Portugal e Espanha, [no entanto], o crescimento real que resultou dessa escolha foi de 7,48%", concluiu.

De acordo com o parecer científico do ICES, divulgado hoje, o 'stock' de sardinha tem vindo a decrescer de 106 mil toneladas em 2006 para 22 mil em 2016, por isso, recomenda que, em 2018, seja suspensa a captura deste peixe. Contudo, aponta para vários cenários de capturas, estabelecendo como limite 24.650 toneladas.

Já em Julho deste ano, o organismo científico recomendava que Portugal devia parar por completo a pesca da sardinha durante um período mínimo de 15 anos para que o 'stock' de sardinha regresse a níveis aceitáveis.

Em declarações aos jornalistas, no Ministério do Mar, em Lisboa, Ana Paula Vitorino adiantou que, na próxima quinta e sexta-feira vão decorrer reuniões com Espanha e com a União Europeia, para que estes valores sejam acordados.



A sua opinião16
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Patriotaresidente Há 1 dia

Certo ou errado? Deve pescar-se sardinha ou limitar a pesca? Governo, pela sua conduta habitual, estará mais interessado em angariar votos. PCP e BE, que pensam? Andam por aí! Mas talvez estejam de acordo co governo. É preciso não perder votos. Depois de nós o dilúvio.

comentários mais recentes
Haja sardinha... Há 4 semanas

Haja sardinha enquanto a geringonça se aguentar...quem vier depois que trate do problema da falta de sardinha!
Cientistas? Técnicos?...só complicam...vejam o mal que esta malta independente fez à geringonça com a treta da comissão técnica de inquérito aos incêndios...só complicou!

Anónimo Há 7 horas

Quando se nega a evidencia cientifica sem racionalidade deixa os problemas não resolvidos e c consequências futuras de queda num precipício.

DJ viajante Há 9 horas

Adoro sardinha como muitos e oena teria em nao poder comer. Sei que tiram pao aos pescadores mas acho que as sardinhas mundiais devem precisar de um descanso como muitas outras especies. E por outro lado nao precisamos de um Trump Tuga.

Mario Há 11 horas

Querem fazer com a sardinha o mesmo que fazem com o dinheiro: ficam a dever.
Este egoísmo de querer predar tudo e não deixar nada para quem cá fica tem tudo a ver com socialismo. Os trabalhadores afinal não são diferentes dos capitalistas selvagens. E os governos que governam exclusivamente para ter votos e o poder são piores que todos os outros juntos. Se pudessem rapavam até o fundo do mar para ver Costa plantado em 1.º Ministro.

ver mais comentários
pub