Automóvel Governo convicto de que as negociações na Autoeuropa "vão correr bem"

Governo convicto de que as negociações na Autoeuropa "vão correr bem"

O secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares mostrou-se hoje convicto de que as negociações na Autoeuropa "vão correr bem" e será possível um acordo, pedindo serenidade e respeito pelas duas partes que estão a defender a sua posição.
Governo convicto de que as negociações na Autoeuropa "vão correr bem"
Bruno Simão
Lusa 02 de setembro de 2017 às 18:03
Pedro Nuno Santos falava aos jornalistas no final de um passeio pela Festa do Avante! – uma presença que enquanto governante acontece pelo segundo ano consecutivo -, tendo sido questionado sobre o impasse na Autoeuropa, cujos trabalhadores cumpriram na quarta-feira um dia de greve, a primeira paralisação por razões laborais na fábrica de automóveis de Palmela.

"Com alguma serenidade, respeitemos e vamos deixar que as negociações se desenrolem, porque nós temos a convicção plena de que elas vão correr bem e nós vamos ter um acordo e continuaremos com uma grande empresa em Portugal a produzir e a vender", enfatizou, no Seixal (distrito de Setúbal).

O governante mostrou-se seguro de que "esse entendimento vai acontecer", mas defendeu que todos têm que, "com alguma calma e serenidade, perceber que os trabalhadores estão a defender os seus direitos, estão a defender a sua posição, da mesma forma que a empresa faz o mesmo".

"E algumas das apreciações que são feitas são perigosas e são desrespeitosas para quem trabalha porque num processo negocial as duas partes estão a defender a sua posição", alertou.

A greve foi marcada após a rejeição de um pré-acordo entre a administração e a Comissão de Trabalhadores (que apresentou a demissão e convocou eleições para 03 de outubro), devido à obrigatoriedade de os funcionários trabalharem ao sábado, como está previsto nos novos horários de laboração contínua que serão implementados a partir do próximo mês de Novembro.

Os trabalhadores alegam que, além do transtorno que a obrigatoriedade do trabalho ao sábado iria provocar nas suas vidas, a compensação financeira atribuída pela empresa é muito inferior ao que iriam receber pelo trabalho extraordinário aos sábados.

De acordo com o novo modelo de horários, cada trabalhador iria rodar nos turnos da manhã e da tarde durante seis semanas e faria o turno da madrugada durante três semanas consecutivas, com uma folga fixa ao domingo e uma folga rotativa nos outros dias da semana.



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
limpinho 06.09.2017

Respeito trabalhadores e direito à greve desde que assumam as consequências. Não venham pedir depois a intervenção do governo quando perderem a produção para países de leste financiadores dos sindicatos. O governo intervém logo nos livros escolares mas deixa chegar ao extremo nestas questões. PT?!

Anónimo 02.09.2017

A seguir ao 25 de Abril de 1974, os antigos comunistas colocaram o Distrito de Setubal na fome, miséria e desemprego. Estes novos comunistas, querem fazer a mesma coisa, fechando a Autoeuropa, entregando os trabalhadores ao Estado, para lhes pagar o subsidio.

Saber mais e Alertas
pub