Empresas Governo corta custos eléctricos em 170 milhões por ano

Governo corta custos eléctricos em 170 milhões por ano

Pacote de medidas hoje fechado em Conselho de Ministros poupará ao sistema eléctrico nacional 1.800 milhões de euros até 2020, anunciou o ministro da Economia, assegurando que os cortes abrangem todos os produtores.
Miguel Prado 17 de maio de 2012 às 15:39
O Governo anunciou hoje após o Conselho de Ministros um conjunto de medidas para reduzir a remuneração dos produtores de electricidade e assim baixar os custos do sistema eléctrico que são imputados aos consumidores. O ministro da Economia, Álvaro Santos Pereira, indicou que anualmente haverá uma redução de custos entre 170 e 190 milhões de euros.

Globalmente, o Governo estima que até 2020 serão poupados 1.800 milhões de euros. Embora o valor não cubra os mais de 3 mil milhões de euros de rendas excessivas estimadas por um estudo do Executivo, o ministro da Economia considera que "1.800 milhões de euros é um valor extraordinariamente considerável em prol da redução de custos".

O secretário de Estado da Energia, Artur Trindade, disse que sem as medidas agora tomadas a factura eléctrica em 2020 seria 40% mais elevada.

Álvaro Santos Pereira assegurou que "todos os produtores irão contribuir", detalhando que na cogeração a poupança até 2020 será de mais de 700 milhões de euros, nas mini-hídricas o corte ultrapassa os 300 milhões, nos Custos de Manutenção do Equilíbrio Contratual (CMEC) e nos Contratos de Aquisição de Energia (CAE) serão 280 a 300 milhões de euros, nas eólicas 100 a 200 milhões e na garantia de potência 335 milhões.

A sua opinião30
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Macedo de Barros Há 3 dias

Isto é que é um ministro do povo; coloca a boca no trombone, porque os seus patrões da energia lhe permitiram tirar uma migalha..., para que ele pudesse salvar a face..., hipócritas! E o povo continua ingénuo e parvo?!...; acho que não...

Anita Há 1 semana

Estou de acordo com todos os que dizem que estes cortes nas rendas pagas às Eléctricas são uma migalha, por aqui não vamos longe, na realidade o que falta ao ministro da Economia é a falta de carreira corrupta/política, foi um simples professor que tirou o curso de economia e faltou-lhe o mestrado em Política Corruptiva!.Com isto não estou a dizer que ele é bom ministro, só estou a dizer é que anda de bolsos vazios. E agora por bolsos vazios porque é que estes comentaristas de bancada não falam dos outros senhores que no passado em troca e uns "TROCOS" decidiram dar às Electricas as tais "rendas fabulosas"? Meus senhores não vivam só o presente e a pensar no futuro incerto que todos vamos ter. Analisem o porquê de chegarmos a este ponto e tirem as elações. Em casa que não há pão todos ralham e ninguém tem razão.

Anónimo Há 1 semana

SR Menistro diga alto e forte .ACABAU A ERA DOS LUCROS FACEIS AU DETRIMENTO DOS INTRESSES DO ESTADO .So a competencia e o traballo os poderao justeficar .primeiro PORTUGAL .Meta os pontos nos is a gente que tomau maus habitos

desanimado Há 1 semana

Este senhor cada vez que abre a boca anuncia uma medida histórica.

Desta vez a medida histórica foi a montanha parir um ratito!

ver mais comentários
pub