Transportes Governo diz que frota do Metro a 83% chega para este Inverno

Governo diz que frota do Metro a 83% chega para este Inverno

Das 111 composições do Metro de Lisboa 18 continuam imobilizadas. Para o Ministério do Ambiente as 93 composições actualmente disponíveis são suficientes para o cumprimento da oferta planeada para os horários deste Inverno.
Governo diz que frota do Metro a 83% chega para este Inverno
Maria João Babo 13 de dezembro de 2017 às 22:00

O Ministério do Ambiente considera que as 93 composições que o Metropolitano de Lisboa tem actualmente disponíveis, que correspondem a 83% da frota de material circulante, que é de 111, correspondem ao "número suficiente para o cumprimento da oferta planeada para os horários de Inverno 2017/2018".

Em resposta a questões dirigidas por deputados do PCP sobre a alegada degradação deste serviço público, o gabinete de João Pedro Matos Fernandes salienta que a manutenção do metro de Lisboa "tem vindo a ser reforçada" e que desde o início deste ano "foi possível realizar a revisão de 122 ‘bogies’" (equipamento dos veículos ferroviários que suporta a instalação dos rodados, eixo, suspensão), "sem os quais o metro não funciona".

O Ministério do Ambiente sublinha ainda que, a manter-se "as actuais condições de aprovisionamento de materiais de manutenção, a total disponibilidade da frota para o serviço público deverá ser atingida no início do segundo semestre de 2018".

Relativamente ao reforço do quadro de pessoal do metropolitano da capital, o gabinete de Matos Fernandes afirma estimar que "no final do ano de 2017 o seu quadro de pessoal aumente cerca de 5% face a 2016". Em 2016, o efectivo da empresa era de 1.363 pessoas.

O ministro já garantiu no Parlamento que foram contratados 30 trabalhadores para o metro, alguns dos quais já concluíram a formação. Para a área da manutenção, a intenção da empresa é a de contratar mais 10 trabalhadores, estando dependente de autorização das Finanças.

No Parlamento, Matos Fernandes sublinhou em Novembro que "o esforço feito na manutenção é grande", referindo que durante os quatro anos do anterior Governo foram substituídas 194 rodas, enquanto este ano, até 31 de Outubro, foram 456.

Já sobre a situação da Transtejo/Soflusa, em resposta a questões do grupo parlamentar do PSD, o Ministério do Ambiente refere que este ano estas empresas vão investir cerca de 10 milhões de euros na manutenção das suas frotas e que "com estes investimentos irão terminar 2017 com 18 a 20 barcos disponíveis, sendo que o mínimo para uma operação completa é de 18". Admitindo as dificuldades na operação destas empresas, o Executivo salienta que o investimento realizado este ano "já se traduz num aumento da frota disponível em quase 10% face ao período homólogo de 2016". 

Regulador aprova aumento de 2%  

A Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (AMT) já emitiu o parecer sobre a proposta de despacho normativo que fixa em 2% a percentagem máxima de aumento médio em 2018 dos preços dos transportes colectivos. A AMT considera que "vem facilitar a intervenção das entidades públicas e a articulação entre estas e os operadores, bem como a aferição da efectiva existência de incumprimentos das normas existentes, protegendo melhor os direitos e interesses dos passageiros, face ao despacho que vigorou em 2017".  




A sua opinião15
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado Anónimo 13.12.2017

Um total de até 1400 despedimentos estão planeados na empresa municipal de transportes de Londres por causa de uma ajuizada reestruturação que se impõe aos olhos de todos e o muito responsável e equilibrado presidente eleito da cidade prontamente aprova. Os despedimentos afectarão o sobredimensionado e obsoleto departamento de engenharia, extremamente caro e ineficiente tal como está montado e estruturado, assim bem como determinados departamentos do próprio metropolitano de Londres - London Underground. Ao que se sabe, a Inglaterra progride e avança, dona do seu próprio destino, e ainda dá cartas no mundo. Já outros... "Up to 1,400 job losses are planned at Transport for London because of spending cuts, according to unions. The cuts will affect engineering and parts of London Underground, said the Rail, Maritime and Transport union." (7 de Novembro de 2017) www.mirror.co.uk/news/politics/1400-job-losses-transport-london-11481728

comentários mais recentes
Anónimo 14.12.2017

Estes "Senhores" deviam de andar de transportes públicos todos os dias.
O metro tem cada vez mais péssimo serviço (desde atrasos constantes, fumo e cheiro a queimado nas cabines, travagens bruscas,...). Infelizmente porque não tenho alternativa tenho que dar mensalmente dinheiro a "esta empresa".

Anónimo 14.12.2017

Pagar mensalmente a cada um de 3 directores de uma organização a quantia de 10 mil euros sem qualquer necessidade ou justificação económica ou pagar 1000 euros a 30 colaboradores com cargos não directivos que também ocupem um posto de trabalho efectivo sem qualquer necessidade ou justificação por estarem em demasia na organização ou por existir uma tecnologia muito mais económica, e por ventura mais eficiente, que os pode substituir, é exactamente a mesma coisa. Significa que terei menos retorno sobre o investimento enquanto accionista, mais contribuições e impostos enquanto contribuinte, preço mais elevado para pagar enquanto consumidor e menor remuneração enquanto ofertante de factor trabalho justificável com real procura de mercado.

Anónimo 14.12.2017

Ai sim? Então ele que venha andar no metro em hora de ponta. É fácil falar quando não lhe afeta o dia a dia, devia ir todos os dias de metro para o largo dos ratos.

Anónimo 14.12.2017

Vamos levar a que o governo angola devolva aquilo que é de 100.000 portugueses! 30 segundos (literalmente) do vosso tempo bastam:
http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=PT87641

ver mais comentários
pub