Aviação Governo diz que intervirá se ANA não cumprir obrigações

Governo diz que intervirá se ANA não cumprir obrigações

O secretário de Estado das Infraestruturas remete para o anterior Governo e para o contrato que fez com os donos da ANA a responsabilidade pela subida das taxas aeroportuárias. Renegociar a concessão não é opção para o Executivo.
Governo diz que intervirá se ANA não cumprir obrigações
Cátia Barbosa/Negócios
Maria João Babo 23 de Novembro de 2016 às 15:46

O secretário de Estado das Infra-estruturas, Guilherme d’Oliveira Martins considera que a subida das taxas aeroportuárias "é resultado da concessão realizada pelo Governo anterior, que resultou num excelente negócio para os privados".

As taxas aeroportuárias vão aumentar no próximo ano 22 cêntimos por passageiro no aeroporto de Lisboa e 15 cêntimos no aeroporto de Faro, de acordo com o tarifário para 2017 apresentado no site da ANA, empresa que gere os aeroportos nacionais.


Segundo a empresa liderada por Ponce de Leão, que desde o início de 2013 é detida pelo grupo francês Vinci, a variação do conjunto das taxas reguladas da ANA traduz-se num aumento médio de 1,69% em 2017.

Além dos aumentos em Lisboa e Faro, as taxas vão também subir 11 cêntimos no Porto e 10 cêntimos nos Açores, ficando inalteradas nos aeroportos da Madeira e no terminal de Beja.

Ao Negócios, o secretário de Estado das Infraestruturas frisou que é a Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC) que "tem a responsabilidade de análise das taxas praticadas, nomeadamente da sua conformidade com o contrato e também do seu alinhamento com as taxas praticadas na União Europeia".

O Estado, disse ainda, "acompanha de perto todos os aspectos contratuais, todos os deveres, a que os privados estão legalmente obrigados".

"Estamos atentos e interviremos se de alguma forma as obrigações contratuais forem postas em causa", afirmou Guilherme d’ Oliveira Martins, recusando a possibilidade de renegociar com a concessionária.

"Renegociação é uma visão um tanto ingénua. Estamos perante um contrato assinado, para muitas décadas, entre o Estado e os privados", sendo que "os privados não abdicam dos direitos que adquiriam".

"Aquela que foi apresentada como uma privatização de sucesso resultou, a realidade de um grande negócio para os privados", sublinhou.

 

 




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana


Desde o governo de Guterres que o PS tudo fez para privatizar a ANA.

comentários mais recentes
pertinaz Há 1 semana

MAUZOËS

DITADORZINHOS DE PACOTILHA

Ganda negocio!Tera havido trafego sob a mesa? Há 1 semana

Uma coisa e' pensar em vender,no caso do PS, ALIAS SECUNDADO PLO PPD, e outra bem diferente e' o PPd ter VENDIDO a empresa nos termos em que o fez! O Ppd alienou os intresses de portugal ao preco da uva mijona sem que tenha assegurado que os franceses nao iriam sugar-nos nas taxas sem fazer nada!

Anónimo Há 1 semana

SUCESSO? FOI ! PARA A VINCI! HOUVE ALGUM CONTRATO ASSINADO PELO PSICOPARA DO PASSOS E ATÉ PELO PANÇUDO DO BARROSO QUE SALVAGUARDASSEM OS INTERESSES DO GOVERNO/PAÍS? DEVIAM SER PRESOS PELO MAL QUE FIZERAM AO NOSSO PAÍS.

Anónimo Há 1 semana


FANÁTICOS EXTREMISTAS

Os xuxa.s são tão fanáticos como certas religiões que todos conhecemos.

Por isso acreditam em tudo o que os seus chefes dizem, e ameaçam / insultam todos os que denunciam as suas muitas mentiras e crimes!

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub