Empresas Governo francês sem sinais que Renault tenha feito fraude idêntica à da Volkswagen

Governo francês sem sinais que Renault tenha feito fraude idêntica à da Volkswagen

Numa entrevista hoje publicada no semanário "Le Journal du Dimanche", Ségolène Royal disse ainda que "compete à justiça apurar a situação".
Governo francês sem sinais que Renault tenha feito fraude idêntica à da Volkswagen
Bloomberg
Lusa 15 de janeiro de 2017 às 17:25

A ministra da Ecologia francesa, Ségolène Royal (na foto), afirmou hoje que não tem "nenhuma razão para pensar que a Renault cometeu uma fraude como a Volkswagem" ao nível das emissões de gases dos motores a diesel da marca francesa.

 

A ministra explicou também que a abertura de uma investigação judicial à Renault "pode vir a ser seguida por outros construtores nos quais foram também detectadas anomalias" durante a investigação ordenada pelo Governo francês.

 

"Os controlos efectuados estavam muito acima das normas estabelecidas. É o caso de outros construtores com medidas diferentes. Admito que também possa haver outras investigações", disse a ministra.

 

Ségolène Royal referiu ainda que não pode interferir na investigação judicial e que são os tribunais quem decidirão "se a Renault usou um dispositivo de manipulação" das emissões de gases poluentes "como fez a Volkswagen".

 

Na sexta-feira, a Renault foi alvo de buscas relacionadas com suspeitas de fraudes ao nível das emissões poluentes, segundo informou a agência de notícias AFP.

 

As acções do fabricante automóvel francês Renault caíram na sexta-feira mais de 20% na bolsa de Paris, depois de os sindicatos terem feito esta revelação.

 

As autoridades antifraude francesas estiveram em diversos locais de produção da Renault, segundo fontes sindicais, que referiram ainda que o raide apontava para investigações relacionadas com as emissões poluentes.

 

"Os agentes da DGCCRF (Direção Geral da Concorrência, do Consumo e Repressão de Fraude) intervieram em vários locais da Renault na última quinta-feira", disse uma fonte da comissão geral de trabalhadores da Renault.

 

O alvo da investigação foram fábricas de motores da marca francesa o que sugere, segundo o sindicato, que as buscas "estão ligadas às consequências do escândalo da Volkswagen".

 

A fonte citada pela AFP referiu que as buscas ocorreram no centro de engenharia de Lardy, o centro tecnológico de Guyancourt (Yvelines), nas instalações de Plessis-Robinson e na fábrica de Boulogne-Billancourt (Hauts-de-Seine).

 

"Eles levaram os computadores pessoais de vários directores", salientou.

 

Um representante do sindicato, Franck Daout, explicou que na quarta-feira a administração foi questionada pela estrutura sindical sobre o assunto, mas não obtiveram qualquer resposta.

 

No seguimento do escândalo da manipulação das emissões poluentes na Volkswagen, a Renault informou em Dezembro passado que iria investir 50 milhões de euros para aproximar as emissões nos testes com a condução real.


A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 15.01.2017

Todos os paises tem o partido dos verdes,sera q sao todos como o portugues PEIXARADA:a esverdiada portuguesa bate todas as peixeiras da lota,o ruido dela atravessa fronteiras.Se o nome vale-se os q andam a pe e de bicicleta eram bem mais guarnecidos.Mao pesada nessa gatonag e empregue-se no ar puro

pub
pub
pub
pub