Banca & Finanças Governo italiano pronto a intervir na banca

Governo italiano pronto a intervir na banca

O recém-empossado chefe de Governo disse estar pronto a agir para salvaguardar a estabilidade financeira do país e as poupanças dos cidadãos italianos.
Governo italiano pronto a intervir na banca
Reuters
O novo primeiro-ministro italiano, Paolo Gentiloni (na foto), diz que o governo transalpino está pronto a agir para apoiar o sector financeiro do país, a braços com problemas de capitalização e exposição a elevados volumes de crédito malparado.

"Quero dizer de forma muito clara que o governo (...) está pronto a intervir para garantir a estabilidade dos bancos e as poupanças dos nossos cidadãos," afirmou Gentiloni esta terça-feira, 13 de Dezembro, na sua primeira intervenção no parlamento italiano desde que assumiu as novas funções.

"A Itália tem uma economia forte que não está aberta a ataques e desmentiu claramente a possibilidade de um apocalipse," afirmou, comprometendo-se ainda com o reforço da retoma económica do país - da qual o sector financeiro tem sido o principal motor nas últimas décadas -, cita o site Il Sole 24 Ore.

As garantias do novo chefe de Governo surge dois dias depois de o terceiro maior banco de Itália, o Monte dei Paschi - que está a tentar concluir no mercado um aumento de capital de 5 mil milhões de euros - ter avançado para a recapitalização através de fundos privados, com a troca de dívida por acções para investidores de retalho e a colocação de acções no mercado, noticiou a Reuters.

No final da semana passada o Banco Central Europeu (BCE) terá recusado o prolongamento do prazo - 31 de Dezembro - para que o banco concluísse a recapitalização, aumentando a pressão para que isso aconteça nos próximos 15 dias. E esta segunda-feira, segundo a Reuters, fonte do Tesouro italiano afirmou que o Estado está pronto a injectar capital no banco. 

A banca italiana negoceia sem direcção definida na bolsa de Milão, com a maior valorização a caber ao Unicredit - soma 7,5% depois de conhecido o seu plano de reestruturação, para eliminar um total de 14 mil postos de trabalho e aumentar capital em 13 mil milhões de euros.

Já o Banco Popolare e o Popolare Milano registam quedas na ordem dos 2%, enquanto o Monte Paschi ganha 1,34% para 20,49 euros.

No Verão passado, o governador do Banco de Itália, Ignazio Visco, admitiu a possibilidade de os bancos virem a precisar de ajuda pública dada a "elevada incerteza" vivida no sector financeiro. 

O problema do crédito malparado na banca italiana ascende aos 356 mil milhões de euros. Para lhe fazer frente - e contornar as regras europeias que obrigam a que os resgates sejam primeiramente suportados pelos accionistas e obrigacionistas das instituições - o Governo anunciou em Abril a criação de um fundo privado com apoio público para aliviar os balanços dos pequenos bancos do fardo do malparado.

O objectivo é impedir o colapso de pequenos bancos e permitir a sua recapitalização. Até Novembro o fundo tinha levantado 4.250 milhões de euros junto de bancos, seguradoras e entidades públicas, tendo cerca de metade desse valor gasto no apoio ao Popolare di Vicenza e à Veneto Banca. Além disso, do spin-off Atlante II levantou mais 750 milhões de euros no mercado, refere a Reuters.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub