Energia Governo já aprovou quatro centrais da EDP Renováveis com direito a preços garantidos

Governo já aprovou quatro centrais da EDP Renováveis com direito a preços garantidos

O Parque Éolico da Penacova tinha sido autorizado em 2008 e estava na gaveta desde então. Governo justifica aprovações pelo facto das quatro centrais terem sido inicialmente aprovadas em concursos realizados há uma década.
Governo já aprovou quatro centrais da EDP Renováveis com direito a preços garantidos
Bloomberg
André Cabrita-Mendes 24 de janeiro de 2018 às 13:08

O Governo deu luz verde à construção de uma central eólica da EDP Renováveis que vai ter direito a preços garantidos de venda de energia, um regime conhecido por tarifas "feed-in" e que provoca um aumento da dívida tarifária.

O secretário de Estado da Energia, Jorge Seguro Sanches, tem defendido somente a autorização de centrais sem direito a tarifas garantidas e justifica esta aprovação com o facto de o projecto fazer parte de um lote que tinha sido autorizado em 2008 e por o Governo defender a estabilidade dos contratos assinados.

"Este projecto, que integrava a Fase B do concurso de atribuição de licenças eólicas realizado em 2008, estava desde então parado, a aguardar licenciamento", disse um comunicado da Secretaria de Estado da Energia divulgado esta quarta-feira, 24 de Janeiro.

"A validação destas licenças assentam no compromisso assumido pelo Governo de garantir a estabilidade contratual e regulatória no setor energético", destacou o gabinete de Jorge Seguro Sanches.

A central localizada no concelho de Penacova, distrito de Coimbra, pertence ao promotor Parque Éolico Serra do Oeste, uma sociedade da EDP Renováveis, e vai ter uma potência de 50 megawatts (MW), com o investimento potencial a atingir os 60 milhões de euros.


Além da central de Penacova, o Governo autorizou anteriormente a construção de mais três centrais eólicas da EDP Renováveis, todas com direito a preços garantidos de venda de energia. Mais uma vez, o Governo justifica estas aprovações por estas centrais terem sido inicialmente aprovadas em concursos há 10 anos.

"O número de parques eólicos autorizados pelo Governo, ao abrigo dos concursos de atribuição de licenças eólicas de 2008 e 2009, os quais beneficiam de tarifas "feed-in" (subsidiadas), sobe assim para quatro, num total de 123 megawatts de capacidade instalada", declara o gabinete de Jorge Seguro Sanches.

Das outras centrais da EDP Renováveis com tarifas garantidas, uma fica localizada no concelho de Tarouca e duas no concelho da Batalha.

Além destas centrais com preços garantidos, o Governo já aprovou mais de duas dezenas de centrais solares sem direito a tarifas subsidiadas.

"A estratégia passa agora pela aprovação de centrais, sem custos que onerem a fatura dos consumidores. À luz das novas regras foram já aprovadas 21 centrais solares fotovoltaicas, equivalentes a 756 megawatts de capacidade instalada e a um investimento potencial de 550 milhões de euros", afirma o gabinete de Jorge Seguro Sanches.

Uma das centrais sem direito a preços garantidos é a mega-central de Alcoutim com 220 MW, um investimento de 200 milhões de euros. Licenciada em Setembro de 2016, o prazo de construção da central já derrapou e os promotores Welink/CTIEC vão pedir ao Governo mais tempo para construir esta central solar no Algarve, como escreve o Negócios esta quarta-feira.



A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Ventura Santos 27.02.2018

Olha o Manso Neto e o Mexia só lá vão com boas rendas garantidas ! Grandes gestores ! E a eletricidade dos moinhos, subsidiada a preço de ouro por todos nós, lá vai para os espanhóis por meia peseta ! Bem que os projetos podiam ter ficado no caixote para onde o Passos os tinha atirado ...

MM 27.02.2018

Estes gestores só lá vão com rendas e preços garantidos. Assim é fácil!
Agora ser o mercado e a concorrência a ditar o preço, está quieto!
Isso já requer eficiência, investigação, reinvestimento dos lucros, etc. Isso já só para Gestores com experiência.

Anónimo 10.02.2018

é optimo para a economia termos os salarios mais baixos e em contra partida termos a eletricidade das mais caras da Europa os rendeiros chineses da EDP enchem melhor os bolsos e jà estao com os olhos em bico prontos para novos negocios da china

Anónimo 24.01.2018

Sr. Presidente MARCELO, acuda-nos livre-nos desta seita,
eles COMEM TUDO, DEVORAM TUDO, nem os ossos deixem.

ver mais comentários
pub