Telecomunicações Governo não dará autorização para eventual despedimento de 3 mil trabalhadores na PT

Governo não dará autorização para eventual despedimento de 3 mil trabalhadores na PT

António Costa disse que "nada justifica" que existam esses despedimentos na operadora. Já sobre a possibilidade de viabilizar a saída de cerca de 500 trabalhadores da Efacec, não soube responder.
A carregar o vídeo ...
Negócios com Lusa 23 de maio de 2017 às 15:44

O primeiro-ministro, António Costa, assegurou hoje que o Governo "não dará qualquer autorização" para um eventual despedimento por parte da Altice de cerca de três mil trabalhadores na PT, considerando que "nada o justifica".

No debate quinzenal no Parlamento, coube à deputada do PEV Heloísa Apolónia fazer a primeira intervenção, na qual considerou importante que António Costa, "em nome do Governo, anunciasse que não aceitará a intenção da Altice" de despedir cerca de três trabalhadores na PT, segundo uma notícia avançada pelo semanário Expresso.

 

"O Governo não dará qualquer autorização para que existam esses despedimentos. Nada o justifica. Temos, aliás, a indicação de que já terá havido um desmentido por parte do CEO da Altice", respondeu o primeiro-ministro.

 

De acordo com a deputada do PEV, "esta intenção, para ser concretizada, terá que ter o estatuto de empresa em reestruturação".

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, insistiu na questão e perguntou directamente ao primeiro-ministro se o Governo se "compromete em salvaguardar" que "esse crime que os donos da PT querem fazer".

 

A resposta de António Costa foi curta e no sentido das pretensões comunistas: "Não autorizamos qualquer despedimento dessa natureza na PT", disse o primeiro-ministro já depois de ter garantido que até ao momento o Executivo não tinha recebido "nenhum pedido nesse sentido". 


Minutos antes, tinha sido a vez da deputada do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, colocar a mesma questão mas em relação à Efacec, empresa que recentemente  pediu o estatuto de empresa em reestruturação para, em caso de necessidade, facilitar a rescisão de contratos de até 409 trabalhadores.

Costa disse que tomava nota da questão mas assumiu que não sabia responder. Prometeu falar com o ministro da Solidariedade e "depois darei a resposta". 

De acordo com a edição do Expresso de sábado, a PT quer avançar com rescisões em larga escala e já abordou o Governo, podendo estar em causa até 3.000 postos de trabalho.

 

O Expresso revelou que a PT ainda não pediu o estatuto de empresa em reestruturação, mas já sondou o Executivo, tendo a ideia sido recebida com apreensão.

(Notícia actualizada às 16:40 com respostas aos deputados Jerónimo de Sousa e Catarina Martins)




A sua opinião18
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado semcrer 23.05.2017

Se querem despedir entrem em acordo e paguem as indemnizações, não estejam à espera da 'mama' do subsídio de desemprego!

comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

So let?? look at some of the best exercises for relieving back pain. More and more foreign multinationals are also looking at Alabang as an ideal destination for setting up outsourcing industries in the Philippines. Pilates exercises are very smooth and controlled movements, so there is little dan

Ciifrão 24.05.2017

A deputada que aparece a falar, caso o critério fosse relevância na argumentação, há muito estava sem emprego.

Eheheh 23.05.2017

E esses 3000 ficam lá a limpar o nariz e a receber massa? Não acredito.

Anónimo 23.05.2017

Carrega Costa que resulta, o LADRÃO44 no fim do assalto, e como consequência a bancarrota, com promessas ainda teve 33%.

ver mais comentários
pub