Empresas Governo proíbe transferência de direitos de replantação para o Douro

Governo proíbe transferência de direitos de replantação para o Douro

Ministério da Agricultura fala de um contributo "decisivo" para incentivar a preservação das vinhas do Alto Douro Vinhateiro como património da Humanidade. Autarcas da região querem exclusivo da produção de aguardente.
António Larguesa 08 de maio de 2012 às 17:06
De acordo com a informação enviada ao Negócios por fonte oficial do Ministério, Assunção Cristas determinou o fim da transferência de direitos de replantação para a Região Demarcada do Douro, a mais antiga em todo o mundo.

Esta decisão dá “resposta aos anseios de uma parte significativa dos vitivinicultores do Douro e de várias entidades que há muito reclamavam esta medida de proteção à qualidade e excelência da produção do vinho do Porto e Douro”, sublinha a mesma fonte.

“A medida agora anunciada contribui de forma decisiva para o processo de estabilização e incentivo à preservação das vinhas do Alto Douro Vinhateiro como Património da Humanidade e como reforço da coesão social tão importante para este território”, completa a nota do Ministério da Agricultura.

Autarcas contra alteração estatutária no IVDP

Ouvido esta manhã numa comissão parlamentar, a Comunidade Intermunicipal do Douro (CIM Douro) contestou a nova orgânica do Instituto do Vinho do Douro e Porto, nomeadamente por reforçar o poder do Estado, em detrimento daquele que antes estava nas mãos dos produtores e dos comerciantes de vinhos da região.

Conforme noticiou no domingo o jornal “Público”, a tutela passa, por exemplo, a poder nomear o presidente do instituto público sem consultar o denominado Conselho Interprofissional, onde estão representados os lavradores e os comerciantes da região duriense. Além disso, é criado um conselho consultivo, presidido pelo secretário de Estado, para definir as “linhas gerais” do sector.

Citado pela Lusa, o presidente da CIM Douro, José Cascarejo, disse hoje no Parlamento que o Governo "conseguiu, com esta alteração, unir produtores e comerciantes na recusa deste modelo”, o que “quer dizer que foi feita em desconhecimento total do que se passa no terreno".

"Não estamos aqui a brincar. Não temos questões político-partidárias. Ou querem ouvir o que o território tem a dizer ou não. Isto [mudança com a nova orgânica do IVDP] acrescenta problemas aos já existentes", sentenciou o também presidente da Câmara de Alijó, para quem o instituto público “vai de mal a pior”.

Aguardente para "afogar" as dívidas da Casa do Douro

Na mesma audição no Palácio de São Bento (o secretário de Estado, Daniel Campelo, está a ser ouvido esta tarde), a CIM Douro apresentou aos deputados algumas medidas que poderiam ajudar a resolver a crise na região. Uma delas, explicou, passa por garantir a exclusividade da produção de aguardente à Região Demarcada do Douro.

O vogal da Comunidade Intermunicipal e autarca do Peso da Régua, Nuno Gonçalves explicou, citado pela Lusa, que a aguardente vínica iria dar "novas competências" à Casa do Douro, que atravessa uma grave crise financeira neste momento, e que poderia “fazer a gestão da produção e distribuição de toda a aguardente vínica e regulamentar o funcionamento das adegas cooperativas".

Segundo informou em Outubro, também no Parlamento, o presidente da própria instituição, Manuel António Santos, a Casa do Douro não pagava salários há 16 meses e devia 110 milhões de euros ao Estado português.



A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
terra_maronesa 08.05.2012

Campelo, que eu saiba, é uma marca de vinho verde. Francamente, por pessoas que não percebem da poda a fazê-lo às videiras do Douro, é o mesmo que acabar com as vinhas num instante.

Onde é que está convencionado que os políticos têm de perceber sobre toda a actividade económica, ou não, de um país? A mesma pessoa ontem percebeu de quijos,hoje percebe de vinhos tratados, amanhã de alfarrobas, depois de minas, a seguir de teatro e artes, enfim... o que interessa são os tachos que compõem um trem de cozinha.

O Douro é de quem o trabalha e é por isso que tem de ser ele a dizer o que é melhor para a região. O resto são tretas.

Anónimo 08.05.2012

Só temos que nos congratularmos com o aumento dos poderes do Estado.
A certifiação dos vinhos com denominação de origem, isto é com uma marca coleciva, por isso insusceptível de apropriação individuasl, só deve competir ao Estado.É um erro crasso misturar o interprofissionalismo com a certificação. Acho que o Douro vai no bom caminho

Anónimo 08.05.2012

.....o ultimo filho da viuva ,que se mostrava peja rua dos camilos....deu cabo da casa do douro edos vitinicultores.

Anónimo 08.05.2012

....passeia-se pela regua,silva reis fez um bom negocio e a casa do douro arruinou-se.O queijo limiano,pelos vistos tambem gosta do peso da regua.

ver mais comentários
pub