Empresas Governo quer robô da ESI a servir sumo na Web Summit de 2017

Governo quer robô da ESI a servir sumo na Web Summit de 2017

Um robô que espreme laranjas e presta serviço a copo. A solução de engenharia da portuguesa ESI deixou rendido o secretário de Estado da Indústria. “No próximo ano, quero o vosso robô a servir sumo na Web Summit!”, desafiou João Vasconcelos.
Governo quer robô da ESI a servir sumo na Web Summit de 2017
João Vasconcelos (ao centro) desafiou Gil Sousa (à esquerda, na foto) a instalar o robô que serve sumo na próxima Web Summit.
Rui Neves 24 de Novembro de 2016 às 17:06

Projecto de estágio de três engenheiros, colegas de curso, a ESI estima fechar o exercício de 2016 com uma facturação de dois milhões de euros, mais 11% do que no ano passado. E emprega já 20 pessoas, todas com idades inferiores a 40 anos, metade dos quais tem formação ao nível da licenciatura ou superior.

Sediada em Famalicão, na sua carteira de clientes constam grandes grupos económicos como a Amorim, Ikea, Simoldes, Faurecia, Sakthi ou Vista Alegre. O que é que a ESI faz? Soluções de engenharia para a indústria. E ao optar por uma "abordagem fora da caixa", tenta sempre surpreender nos certames em que participa.

Foi o que aconteceu ainda esta quinta-feira, 24 de Novembro, na EMAF, a maior feira ibérica de máquinas-ferramenta e tecnologia industrial, que se realiza na Exponor, até sábado.

De visita à feira, o secretário de Estado da Indústria parou no stand da ESI e manifestou-se rendido ao robô colaborativo que opera um espremedor de laranjas, cujo sumo servirá aos visitantes da EMAF.

João Vasconcelos deixou então um desafio a Gil Sousa, director comercial e sócio da ESI: "No próximo ano, quero o vosso robô a servir sumo na Web Summit!"

Para Gil Sousa, a presença deste robô no certame confirma a ESI como "empresa de engenharia de ponta", apta a fornecer à indústria portuguesa "soluções à medida com elevado potencial de aplicação fabril". Para o demonstrar, no seu stand apresentará uma "célula robótica capaz de uma customização quase total do processo industrial", adianta ainda o mesmo gestor, em comunicado.

Trata-se de uma "solução a pensar na Indústria 4.0", desenvolvida internamente, e que é "exemplo da aceleração de processos que se pode conseguir no chão de fábrica" com os recursos tecnológicos actualmente existentes. Os visitantes terão oportunidade de explorar, eles próprios, as potencialidades desta célula robótica em matéria de personalização, através de uma máquina que faz a "marcação automática de brindes para oferta".

Entre outras soluções colaborativas robotizadas, a ESI exibirá ainda um sistema inovador para "pick & place" (pegar e colocar), com dois robôs, que resulta da "fusão da robótica com a visão artificial".




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
bucks Há 2 semanas

E quando estes tipos ganharem mais uns milhões com IA, vão colocar lá robots que falam, a substituir os políticos e aí estarão ameaçados...

bucks Há 2 semanas

Podia ser sangria. São estes tipos que vão ganhar milhões com a robótica, deixando milhares no desemprego, levando a uma guerra mundial.

Sumo? Há 2 semanas

Queremos Vodka

Anónimo Há 2 semanas

"cujo sujo servirá aos visitantes da EMAF". Dispenso sujo. Já sumo...

pub
pub
pub
pub