Energia Governo recebe 45 novos pedidos para construir centrais eólicas e solares

Governo recebe 45 novos pedidos para construir centrais eólicas e solares

Dos projectos já aprovados, o Governo deu luz verde até agora para a construção de um total de 14 centrais solares, representando investimentos de 381 milhões de euros.
Governo recebe 45 novos pedidos para construir centrais eólicas e solares
Bruno Simão/Negócios
André Cabrita-Mendes 19 de setembro de 2017 às 13:13

O Governo recebeu 45 pedidos para construir novas centrais eólicas e solares. Estes pedidos de licenciamento representam um total de novos 1.000 megawatts (MW) sem subsídios pagos pelos consumidores.

Os pedidos foram feitos durante o período de licenciamento que terminou no dia 15 de Setembro, anunciou a secretaria de Estado da Energia esta terça-feira, 19 de Setembro.

Estes novos projectos vão agora ser submetidos à avaliação e triagem da Direcção-Geral de Energia e Geologia (DGEG), segundo o gabinete de Jorge Seguro Sanches, secretário de Estado da Energia.


Além destes 45 projectos, a DGEG está a analisar 46 projectos para novas centrais solares que estão em fase de tramitação processual na DGEG, num total de 1.100 megawatts.

O Governo já aprovou até agora um total de 14 centrais solares, com potência de 521 megawatts, representando investimentos de 381 milhões de euros.

As novas centrais solares previstas principalmente para a região do Alentejo representam investimentos no valor total de 500 milhões de euros, conforme avançou o Negócios em Maio.

"A competitividade dos preços da electricidade e a sustentabilidade financeira do sector são duas das prioridades da política energética do Governo, num mercado em que, só no corrente ano, os consumidores pagaram rendas superiores a 1.300 milhões de euros a projectos de renováveis licenciados antes do actual Governo", diz em comunicado a secretaria de Estado da Energia.

 

A primeira central solar em regime de mercado a ser concluída foi a de Montes Novos em Estremoz, com uma capacidade de 4,1 megawatts da empresa Infrasol.

Recentemente foi lançada a construção de outra central solar em regime de mercado, a central de Ourika, localizada no concelho de Ourique, distrito de Beja, um investimento de 35 milhões de euros resultante de uma parceria entre a Solaer e a Prosolia Energy.

Em Março foi lançada a construção da maior central solar da Europa sem tarifas subsidiadas pelos consumidores. Um consórcio sino-irlandês vai investir 200 milhões de euros na maior central solar sem tarifas subsidiadas da Europa no Algarve. A central Solara4 em Alcoutim, distrito de Faro, vai ter uma capacidade instalada de 220 megawatts/pico (MWp).

As obras do projecto promovido pelos chineses da China Triumph International Engineering Company (CTIEC) e pelos irlandeses da Welink Energy arrancam em Abril e vão ter a duração de dois anos.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
SALAZAR Há 4 dias

PORTUGAL DEVE INVESTIR FORTEMENTE NO SOLAR. É O QUE MAIS TEMOS. MAS SEM SUBSÍDIOS E DE FORMA TRANSPARENTE.

pub
pub
pub
pub