Banca & Finanças Governo reforça protecção dos grandes depósitos

Governo reforça protecção dos grandes depósitos

O Governo vai avançar com uma proposta para reforçar a protecção dos depósitos das grandes empresas e entidades públicas. Ideia é distinguir estas aplicações da dívida sénior, para que os obrigacionistas sejam afectados antes de todos os depositantes.
Governo reforça protecção dos grandes depósitos
Bruno Simão/Negócios
Maria João Gago 11 de setembro de 2017 às 16:48

Os depósitos das grandes empresas, entidades públicas e fundos de pensões vão passar a estar mais protegidos em situações de resolução ou liquidação das instituições financeiras. É este o objectivo da proposta de alteração legislativa com que o Governo vai avançar e que já conta com o apoio de princípio do Bloco de Esquerda e do PCP, revelou o secretário de Estado das Finanças, Ricardo Mourinho Félix, num encontro com jornalistas. 

 

A ideia é garantir que as grandes empresas, fundos de pensões e entidades públicas só possam ser afectados numa resolução bancária ou na liquidação de um banco depois dos detentores de dívida sénior. Na prática, todos os depositantes passam a ter uma protecção semelhante à que já existe para os depositantes particulares e para as pequenas e médias empresas com aplicações acima dos 100 mil euros.

 

"Esta proposta tem a virtude de deixar muito claro que os grandes depositantes só são chamados [a ter perdas] depois dos detentores de dívida sénior. O objectivo é proteger um conjunto de empresas, incluindo empresas públicas e outras entidades estatais", como o Instituto de Gestão de Crédito Público ou o Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social, sublinhou Mourinho Félix.

 

Neste momento, os depósitos de particulares e PME estão garantidos até ao valor de 100 mil euros por cliente e por banco, protecção que se vai manter inalterada. Acima dos 100 mil euros, estes depositantes são dos credores comuns mais protegidos nos bancos intervencionados. É este estatuto que o Executivo quer agora alargar aos restantes grandes depositantes.

 

A proposta do Governo surge na sequência de uma proposta de alteração legislativa feita pelo Banco de Portugal. "Discutimos a proposta, auscultámos alguns partidos e já temos um acordo de princípio para ter o apoio do Bloco de Esquerda e do PCP", revelou o governante. Aliás, o secretário de Estado admite um apoio mais alargado a esta iniciativa que por envolver questões de propriedade tem de ser aprovada no Parlamento.

 

"Está e uma medida que promove a estabilidade financeira, já que dá aos depósitos maior grau de segurança. Estabiliza a base de Depósitos", acredita Mourinho Félix.

 

A proposta deve seguir em breve para aprovação em Conselho de Ministros e depois de votada no Parlamento deverá entrar logo em vigor. "Seria útil que avançasse ainda antes do próximo ano", defendeu o secretário de Estado, admitindo que a votação na Assembleia da República possa acontecer só depois de concluída discussão do Orçamento do Estado.

 

Esta alteração deixa de fora os depósitos dos accionistas qualificados e de gestores de bancos que tenham responsabilidades nas dificuldades das instituições financeiras em causa. Além disso, também não são abrangidas as aplicações que estejam em disputa judicial, por exemplo, porque os fundos em causa resultam de operações de branqueamento de capitais.

 

Segundo avançou o Expresso a 1 de Julho, esta alteração foi proposta pelo Banco de Portugal na sequência de uma posição defendida em Março pelo Banco Central Europeu junto do Parlamento Europeu.




A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 11.09.2017

Os agregados familares que recebem 45 ou 50 mil anuais sao gente rica para o BE e também para este PS e podem continuar pagar quase 40% de IRS!!!!!

comentários mais recentes
Anónimo 11.09.2017

Os agregados familares que recebem 45 ou 50 mil anuais sao gente rica para o BE e também para este PS e podem continuar pagar quase 40% de IRS!!!!!

Johnny 11.09.2017

"... situações de resolução ou liquidação das instituições financeiras"
Sim porque ainda ai vem mais, MUITO MAIS !

Oposição 11.09.2017

Há muito que digo aos meus clientes (particulares)que não financiem os Bancos via divida qualquer que seja que estes tipos não são de fiar(e quero ver com a falta deste instrumento como vão eles cumprir os rácios de capital?)
Algum dos que postaram comentários me quer fazer a gentileza de explicar essa dos shorts no BCP após publicação dos bons resultados?é que não tenho seguido e só queria perceber a história.Obrigado a todos.

General Ciresp 11.09.2017

Creio q este tirou proveito a custa do primo,porque as entradas q faz metem pena.Se o BCE diz q 1 conta ate 100.000 esta garantida dai para cima tem q participar no custo do banco em caso de falencia,como vai contornar a lei.Se dissesse q vao fazer controes periodicos aos bancos era mais bem acertad

ver mais comentários
pub