Empresas Governo renova contrato com Lacerda Machado por seis meses

Governo renova contrato com Lacerda Machado por seis meses

O anterior compromisso com o consultor terminou a 31 de Dezembro de 2016, mas foi prolongado, segundo adiantou o Público desta segunda-feira, 16 de Janeiro. O salário mantém-se em dois mil euros mensais.
Governo renova contrato com Lacerda Machado por seis meses
Miguel Baltazar
Negócios 16 de janeiro de 2017 às 09:52

O Governo renovou o contrato de consultoria com o advogado Diogo Lacerda Machado por mais seis meses, mantendo o salário de dois mil euros que estava a receber no ano passado. O Público recordou que o contrato do consultor terminava a 31 de Dezembro de 2016, mas este mostrou disponibilidade para continuar, em entrevista ao mesmo jornal e à Rádio Renascença.


O anterior contrato com o gabinete do primeiro-ministro iniciou-se a 15 de Abril do ano passado e teve um custo global de 17 mil euros.


O objecto do contrato mantém-se para o amigo confesso de António Costa: serviços "de consultoria estratégica e jurídica, na modalidade de avença, em assuntos de elevada complexidade e especialização, na área de competência do primeiro-ministro". Assim, explicou o jornal, Lacerda Machado pode ser chamado a dar pareceres jurídicos e assessoria no âmbito de processos negociais, incluindo mediação e conciliação, bem como a elaboração de relatórios, acordos e memorandos.  


A prestação de serviços de Diogo Lacerda Machado ao Governo esteve envolvida em polémica a partir da altura em que saltou para a praça pública. Em Abril, António Costa acabou por formalizar esse apoio com a assinatura do contrato com o negociador que representou o Estado nas negociações com a TAP, com os lesados do BES e no caso BPI-Isabel dos Santos.  

Diogo Lacerda foi depois ao Parlamento prestar esclarecimentos e admitiu que a falta de um contrato poderia ter sido entendida como "menos conforme ao valor da transparência". Mas recusou que existisse um conflito de interesses.  


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub