Banca & Finanças Governo reúne com Lone Star por causa da venda do Novo Banco

Governo reúne com Lone Star por causa da venda do Novo Banco

A Lone Star tinha revelado que iria tentar negociar directamente com o Governo o que, de acordo com o Público, já aconteceu. PS admite nacionalização "temporária"
Governo reúne com Lone Star por causa da venda do Novo Banco
Bruno Simão/Negócios
Negócios 11 de janeiro de 2017 às 08:49

O Governo já reuniu directamente com o fundo norte-americano Lone Star por causa da venda do Novo Banco. A informação é avançada pelo Público, que indica que as Finanças estão a tentar que os candidatos prescindam de ajudas do Estado, o que ainda não aconteceu.

A justificação para a intervenção do Governo num processo formalmente liderado pelo Banco de Portugal é o facto de ter sido o ministro das Finanças a assunar os termos da Carta de Compromissos que responsabiliza o Estado português com a venda face a Bruxelas.

A Lone Star já tinha afirmado que trabalharia "incansavelmente" quer com o Governo quer com o Banco de Portugal para conseguir um acordo final.

O problema é que tanto a Lone Star como a Apollo exigem garantias do Estado português para fazer face a eventuais perdas de activos que podem estar mal avaliados. Mário Centeno, que tem dito que quer assegurar que não haverá impacto nas contas públicas, argumenta que isso implicaria uma "ajuda do Estado" aos olhos de Bruxelas.

De acordo com uma fonte ouvida pelo Público, e não identificada, basta que um candidato encontre uma solução que dispensa a ajuda do Estado para que o processo volte ao Banco de Portugal e se fechem as formalidades.

Neste momento há seis cenários possíveis para o Novo Banco.

Nacionalização "temporária"?

A esquerda continua a pressionar no sentido da nacionalização do Novo Banco. De acordo com o líder parlamentar do PS, Carlos César, o PS ainda não decidiu como votará a proposta dos comunistas que defende a nacionalização, que deverá ser agendada para a primeira semana de Fevereiro.

De acordo com o líder parlamentar, o PS admite viabilizar a proposta se o PCP aceitar "alterações significativas" no projecto de resolução que tornem a nacionalização "temporária".



Notícia actualizada às 9:36 com mais informação


A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
pertinaz 11.01.2017

NÃO É BOA IDEIA PÔR ESTE RAPAZ A TRATAR DE ASSUNTOS SÉRIOS

VAI DAR ASNEIRA OUTRA VEZ...

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub