Media Governo são-tomense cria empresa pública de rádio e televisão

Governo são-tomense cria empresa pública de rádio e televisão

O governo são-tomense transformou a rádio e televisão do país em empresa pública com a designação de Empresa de Rádio e Televisão São-Tomense (RTVS), tendo o Conselho de Ministros aprovado esta sexta-feira um decreto-lei para efeito.
Governo são-tomense cria empresa pública de rádio e televisão
Reuters
Lusa 05 de agosto de 2017 às 15:36

A nova empresa vai ser dotada de um conselho de administração e uma direcção-geral composta por quatro departamentos, designadamente de informação, técnico, de programas e administrativo e financeiro.

 

"Nós achámos, que criada a empresa pública, estaríamos a dotar esta empresa de uma autonomia administrativa e financeira e também gerar uma nova dinâmica no âmbito da comunicação social", disse hoje aos jornalistas o ministro da Educação, Cultura, Ciência e Comunicação, Olinto Daio.

 

A fusão das duas instituições em empresa, segundo o titular da Comunicação Social, poderá permitir "uma optimização dos seus recursos financeiros, materiais e também humanos" para corresponder aos anseios do público que "tem vindo a clamar pela qualidade dos serviços prestados" pelas estações de rádio e televisão.

 

"Uma empresa nessa perspectiva terá também uma vantagem de poder ser autónoma e buscar os seus próprios caminhos para se marcar no âmbito do mercado da comunicação social", acrescentou Olinto Daio, sublinhando que o património dos dois órgãos, as taxas audiovisuais e receitas provenientes da prestação de serviços constituirão o capital da empresa.

 

"Já foi aprovado um despacho conjunto entre os ministros da comunicação e das infra-estruturas para as taxas audiovisuais" que serão cobradas através da facturação pela Empresa de Água e Electricidade (EMAE) nos consumos de água e energia eléctrica.

 

A empresa RTVS, que se prevê entre em funcionamento a partir da próxima semana, terá como primeira tarefa ocupar-se da transição, para a sua alçada, dos mais de 160 funcionários - cujos salários têm sido suportados pelo Estado.

 

Nas últimas duas semanas, Olinto Daio teve encontros separados com os profissionais da rádio, televisão e delegação regional dos dois órgãos na Região Autónoma do Príncipe onde deu garantias de que "não haverá despedimento do pessoal".

 

O governante garantiu igualmente que "dentro dos próximos seis a oito meses" os dois órgãos passarão a funcionar num único edifício, que é a estação de produção da Televisão Pública (TVS), cujas obras de remodelação e ampliação "vão iniciar brevemente".

 

Ainda de acordo com o ministro, essas obras já têm financiamento garantido, no âmbito de um projecto com a Turquia que contempla também a compra de pelo menos quatro viaturas e novos equipamentos.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub