Vinho Governo simplifica apoios à promoção de vinhos fora da Europa

Governo simplifica apoios à promoção de vinhos fora da Europa

As novas regras para estes fundos não reembolsáveis, válidas até 2018, prometem acelerar as candidaturas e os pagamentos às empresas do sector.
Governo simplifica apoios à promoção de vinhos fora da Europa
Sara Matos
António Larguesa 05 de dezembro de 2016 às 11:17

Os programas comunitários para a promoção de vinhos em mercados fora do espaço europeu vão ter, até 2018, regras mais simples na apresentação das candidaturas e também nos pagamentos, "com benefícios assinaláveis" para as empresas e para as entidades gestoras.

 

Uma portaria publicada esta segunda-feira, 5 de Dezembro, em Diário da República, antecipa que a carga burocrática associada a estes processos será reduzida "substancialmente" e prevê novos critérios de prioridade e ponderação para hierarquizar os pedidos de apoio apresentados por organizações interprofissionais, novos beneficiários e novos mercados.

 

Estes apoios não reembolsáveis, que não podem ultrapassar metade das despesas elegíveis, estão disponíveis para a promoção de vinhos portugueses com Denominação de Origem Protegida (DOP), com Indicação Geográfica Protegida (IGP) e com indicação de casta, desde que se destinem ao consumo directo. O Instituto da Vinha e do Vinho (IVV) é a entidade gestora.

 

Empresas, organizações de produtores, associações profissionais e interprofissionais ou organismos públicos ligados ao sector podem candidatar-se a estes fundos para participarem em feiras internacionais, fazerem campanhas de informação e acções de relações públicas ou publicidade, ou para pagarem estudos de mercado e de avaliação de novos destinos para a exportação de vinhos.

 

O diploma assinado pelo secretário de Estado da Agricultura, Luís Medeiros Vieira, destaca que o valor da garantia que acompanha o pedido de adiantamento passa a não ter de ultrapassar este montante e que o beneficiário pode apresentar um certificado das demonstrações financeiras aquando dos pedidos de pagamento, tornando-os assim mais rápidos.

"Além de ganhos ao nível da simplificação, eficiência e eficácia na gestão e controlo do apoio, com benefícios evidentes quer para o beneficiário quer para a administração, pretende-se ainda introduzir uma maior previsibilidade e eficácia na monitorização da execução financeira, na redução dos prazos de análise das candidaturas e dos correspondentes pedidos de pagamento", salienta o Executivo nesta portaria.


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub